Papa Francisco

Papa reconhece que igreja “ferida pelo pecado” não soube escutar

166

O papa reconheceu, no Panamá, que a igreja católica não soube ouvir, numa mensagem endereçada a padres e seminaristas no meio de escândalos de abusos sexuais que abalaram a instituição.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O papa reconheceu este sábado, no Panamá, que a igreja católica, “ferida pelo pecado”, não soube ouvir, numa mensagem endereçada a padres e seminaristas no meio de escândalos de abusos sexuais que abalaram a instituição.

Durante uma missa celebrada na Catedral de Santa Maria, no Panamá, Francisco fez soar o alarme a propósito de uma “lassidão de esperança que nasce da descoberta de uma igreja ferida pelo pecado e que tão frequentemente não soube escutar”.

Esta mensagem ocorre semanas antes de uma reunião mundial de prelados, muito esperada, sobre a proteção de menores no seio da igreja.

Durante uma conferência de imprensa na véspera, o porta-voz para os assuntos internos do Vaticano, Alessandro Gisotti, assegurou que este tema estava “no centro das preocupações de Francisco”.

“Não é o início da batalha, é um caminho de cruz. Provavelmente o pior que podemos imaginar, como foi dito pelo papa Bento XVI e também pelo papa Francisco. Compreendemos que há uma pressão terrível sobre a igreja”, concluiu.

A mais recente viagem do papa à América Latina conduziu-o, em janeiro de 2018, ao Chile.

Presidente do Panamá diz que país fortalece a vocação

O Presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, disse este sábado que a realização das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) no país fortalece a vocação de este ser ponte entre as nações. “Fortalece a vocação do país a ser uma ponte, não um muro, um país de união, um país de fé, onde estão todas as vocações religiosas do mundo”, afirmou Juan Carlos Varela.

O chefe de Estado panamiano falava aos jornalistas após ter participado na basílica catedral Santa Maria la Antigua numa missa presidida pelo papa Francisco, onde, entre outros chefes de Estado, esteve o português Marcelo Rebelo de Sousa.

As declarações ocorreram antes de um encontro entre os chefes de Estado português e panamiano.

Juan Carlos Varela frisou que o Panamá “é um país que une o mundo”, referindo-se, entre outras infraestruturas, ao Canal do Panamá, 77 quilómetros de canal que unem os oceanos Pacífico e Atlântico.

“Essa é a nossa vocação, ser um país que une o mundo”, destacou, acrescentando que as JMJ “ratificam essa vocação geográfica do país, um país de diálogo de união e de paz”.

O chefe de Estado panamiano acrescentou que se a próxima edição das jornadas for em Portugal essas serão as suas quartas jornadas, “em Lisboa e Fátima”.

“Mas há que esperar o anúncio formal do papa”, acrescentou.

As JMJ são um encontro de jovens de todo o mundo com o papa, num ambiente festivo, religioso e cultural, que mostra o dinamismo da Igreja Católica.

O maior evento da Igreja Católica foi criado pelo papa João Paulo II (1920-2005).

Esta é a quinta vez que as JMJ decorrem no continente americano, depois de Buenos Aires (Argentina, 1987), de onde é natural o papa Francisco, de Denver (Estados Unidos da América, 1993), Toronto (Canadá, 2002) e Rio de Janeiro (Brasil, 2013).

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)