Rádio Observador

Papa Francisco

Papa reconhece que igreja “ferida pelo pecado” não soube escutar

166

O papa reconheceu, no Panamá, que a igreja católica não soube ouvir, numa mensagem endereçada a padres e seminaristas no meio de escândalos de abusos sexuais que abalaram a instituição.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O papa reconheceu este sábado, no Panamá, que a igreja católica, “ferida pelo pecado”, não soube ouvir, numa mensagem endereçada a padres e seminaristas no meio de escândalos de abusos sexuais que abalaram a instituição.

Durante uma missa celebrada na Catedral de Santa Maria, no Panamá, Francisco fez soar o alarme a propósito de uma “lassidão de esperança que nasce da descoberta de uma igreja ferida pelo pecado e que tão frequentemente não soube escutar”.

Esta mensagem ocorre semanas antes de uma reunião mundial de prelados, muito esperada, sobre a proteção de menores no seio da igreja.

Durante uma conferência de imprensa na véspera, o porta-voz para os assuntos internos do Vaticano, Alessandro Gisotti, assegurou que este tema estava “no centro das preocupações de Francisco”.

“Não é o início da batalha, é um caminho de cruz. Provavelmente o pior que podemos imaginar, como foi dito pelo papa Bento XVI e também pelo papa Francisco. Compreendemos que há uma pressão terrível sobre a igreja”, concluiu.

A mais recente viagem do papa à América Latina conduziu-o, em janeiro de 2018, ao Chile.

Presidente do Panamá diz que país fortalece a vocação

O Presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, disse este sábado que a realização das Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) no país fortalece a vocação de este ser ponte entre as nações. “Fortalece a vocação do país a ser uma ponte, não um muro, um país de união, um país de fé, onde estão todas as vocações religiosas do mundo”, afirmou Juan Carlos Varela.

O chefe de Estado panamiano falava aos jornalistas após ter participado na basílica catedral Santa Maria la Antigua numa missa presidida pelo papa Francisco, onde, entre outros chefes de Estado, esteve o português Marcelo Rebelo de Sousa.

As declarações ocorreram antes de um encontro entre os chefes de Estado português e panamiano.

Juan Carlos Varela frisou que o Panamá “é um país que une o mundo”, referindo-se, entre outras infraestruturas, ao Canal do Panamá, 77 quilómetros de canal que unem os oceanos Pacífico e Atlântico.

“Essa é a nossa vocação, ser um país que une o mundo”, destacou, acrescentando que as JMJ “ratificam essa vocação geográfica do país, um país de diálogo de união e de paz”.

O chefe de Estado panamiano acrescentou que se a próxima edição das jornadas for em Portugal essas serão as suas quartas jornadas, “em Lisboa e Fátima”.

“Mas há que esperar o anúncio formal do papa”, acrescentou.

As JMJ são um encontro de jovens de todo o mundo com o papa, num ambiente festivo, religioso e cultural, que mostra o dinamismo da Igreja Católica.

O maior evento da Igreja Católica foi criado pelo papa João Paulo II (1920-2005).

Esta é a quinta vez que as JMJ decorrem no continente americano, depois de Buenos Aires (Argentina, 1987), de onde é natural o papa Francisco, de Denver (Estados Unidos da América, 1993), Toronto (Canadá, 2002) e Rio de Janeiro (Brasil, 2013).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)