A Esquadra 751 — Pumas resgatou este domingo dois homens, de 51 e 54 anos, que estavam “há várias horas” presos numa ravina em São Miguel, nos Açores. Com o resgate, a Força Aérea ultrapassou a marca das 4000 vidas salvas em 40 anos de missões.

Os dois homens, ambos portugueses, foram resgatados de manhã. Segundo a Força Aérea, estavam “perdidos há várias horas numa zona de difícil acesso” quando os militares a bordo do helicóptero EH-101 os encontraram.

Estavam numa zona de vegetação densa e o vento soprava com força no Pico da Vara, na zona nordeste da ilha. Não havia forma de chegar até eles por terra.

Foi essa dificuldade que levou o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros  dos Açores a contactar os militares. Os dois homens foram resgatados e conduzidos até ao Aeroporto João Paulo II para receberem acompanhamento médico.

Com a missão, a Esquadra 751 — Pumas ultrapassou as 4000 vidas salvas em missões de busca e salvamento, de  transportes médicos urgentes e de resgates de  doentes em navios, em mais de  40 anos de atividade, assinala a Força Aérea.

O nome da esquadra remonta ao tempo dos míticos helicópteros Puma que equiparam a Força Aérea durante décadas e que foram usados em centenas de resgates e missões de patrilhamento marítimo até à chegada dos atuais EH-101 Merlin, em 2005.

Estes novos helicópteros levaram também a uma reestruturação do dispositivo de busca e salvamento (SAR). Neste momento, as tripulações das Lajes (uma das duas tripulações naquela base), de Porto Santo (com uma tripulação na Madeira) e do Montijo (com outra tripulação) garantem que há uma equipa em alerta permanente, 24 horas por dia, 365 dias por ano.