Atualidade

Surpresa! KPMG prevê ‘empate’ entre motorizações em 2040

288

Como será a indústria automóvel em 2040? Esta é a pergunta a que todos os fabricantes gostariam de dar resposta, com certeza. A KPMG antecipa-se com previsões preocupantes e (outras) surpreendentes.

Depois de inquirir perto de mil executivos de diferentes marcas automóveis, a multinacional KPMG procurou responder a uma pergunta a que ninguém se atreve a dar resposta: como será a indústria automóvel em 2040?

Responder a esta questão sem ter uma bola de cristal infalível é um desafio, tanto mais que esta indústria vive dias de transição. Por um lado, por aquilo a que obrigam as normas antipoluição cada vez mais severas; por outro, pelos aguardados desenvolvimentos na tecnologia das baterias, pois sem eles o ‘sonho’ da mobilidade eléctrica, mais amiga do ambiente, pode ficar amputado pelo preço – já para não falar de uma infra-estrutura capaz de responder às solicitações massivas de carregamento. Como se todas estas variáveis não bastassem, junta-se ainda uma outra: a prometida condução autónoma que, até ver, padece de tecnologia à altura e o devido enquadramento legal.

Fruto dos inquéritos que conduziu, a KPMG elaborou o Global Automotive Executive Survey 2019, onde antecipa as principais transformações de que a indústria automóvel vai ser alvo nas próximas duas décadas. E nada vai ser como dantes.

Uma das conclusões – menos surpreendentes – é que a Europa vai perder terreno para os asiáticos. Significa isto que vamos ser invadidos por carros chineses? Não necessariamente, mas muito provavelmente.  A produção da China serve, sobretudo, para abastecer o mercado local, mas o que é lógico é que custos de produção inferiores se traduzam em produtos finais mais baratos, com tudo o que isso implica, pois a Europa não é particularmente competitiva no que toca a produzir automóveis.

Outra das conclusões, talvez a mais interessante face ao clima de incerteza gerado pela perseguição política aos diesel, prende-se com o mix de motorizações. A KPMG antecipa que, em 2040, metade dos automóveis continuarão a ser locomovidos por motores de combustão interna, gasolina ou diesel, incluindo nesta conta os híbridos.

Por essa altura, prevê a KPMG, os eléctricos a bateria representarão 30% do mercado. Uma estimativa que, para uns, pecará pela falta de ambição. Mas que, ainda assim, só encontra fundamento numa melhoria da tecnologia das baterias, que permita aos veículos eléctricos equipararem-se em preço com os seus rivais fósseis. Ainda que estes devam continuar a ser as alternativas mais baratas nesse horizonte. Já os eléctricos movidos a célula de combustível a hidrogénio deverão reclamar quase um quarto do mercado.

Em linha com o que se tem vindo a antecipar e com a própria estratégia de vários construtores, antecipa-se que o conceito de propriedade vai sofrer um brutal abalo. Quanto mais jovem for a sociedade, menos valor será dado ao facto de possuir ou não automóvel. Terreno fértil, portanto, para as empresas que fornecem serviços de mobilidade, em vez de se concentrarem na venda da viatura.

Neste quadro, adeus concessionários. A não ser que se reinventem e que passem a assumir funções que até aqui não têm. Porque tudo indica que, quer se queira quer não, os automóveis do futuro vão ser eléctricos ou electrificados, autónomos e com múltiplos utilizadores em vez de um único dono.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt
Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)