A Cofisa, responsável pelo fabrico das conservas de sardinha marca DIA retiradas do mercado, indicou esta terça-feira à Lusa que foram efetuadas contra-análises a outras unidades do mesmo lote, resultando que estas estavam aptas para consumo.

Foram efetuadas de imediato contra-análises a outras unidades do mesmo lote, resultando [em] todas a indicação de aptas para consumo“, disse, numa nota, em resposta à Lusa, fonte oficial da Cofisa. Em causa está o lote 2694L, com validade até julho de 2023, que foi retirado do stock do grupo DIA devido a “uma possível falha de esterilização”.

De acordo com a Cofisa, trata-se de um “procedimento recorrente tendo em vista a segurança alimentar”, que foi acordado com a cadeia espanhola. A Cofisa notou ainda que a retirada em questão “se justificou como uma medida preventiva, não tendo havido qualquer situação a reportar no mercado“.

O grupo DIA retirou do seu stock um lote de 24.576 latas de conserva de sardinha em azeite, fabricado pela Cofisa e distribuído em Portugal e Espanha, devido a “uma possível falha de esterilização“, conforme foi anunciado na segunda-feira. “Todos os clientes que tenham adquirido este lote poderão proceder à sua devolução na loja mais próxima”, esclareceu, na altura, o DIA.

A empresa disse ainda lamentar “profundamente todo e qualquer inconveniente que esta situação possa ter causado aos seus clientes”, garantindo que vai continuar a trabalhar para assegurar os mais altos padrões de qualidade e segurança alimentar em todos os processos.