CGTP

CGTP exorta trabalhadores para intensificação da luta

Entre as prioridades da CGTP está a contestação à proposta de alteração da lei laboral, que Arménio Carlos diz ir agravar a desregulação dos horários, a precariedade e o desrespeito pela contratação.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, defende que só com a luta será dada uma resposta para os grandes problemas dos trabalhadores

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A CGTP-IN exortou esta quarta-feira os trabalhadores a intensificarem este ano a luta pela melhoria das suas condições de vida e de trabalho e por um país com mais progresso e justiça social.

“Assumimos esta posição neste início de ano porque sabemos que só com a luta conseguiremos resposta para os grandes problemas dos trabalhadores”, disse o secretário-geral da Intersindical, Arménio Carlos, no final de uma reunião do Conselho Nacional à agência Lusa.

O sindicalista disse que entre as prioridades da central está a contestação à proposta de alteração da legislação laboral, que está para discussão na especialidade no parlamento, que “irá agravar ainda mais a desregulação dos horários de trabalho, a precariedade laboral e o desrespeito pela contratação coletiva”.

O Conselho Nacional da CGTP aprovou um documento em que faz um levantamento das matérias da proposta legislativa que considera que violam princípios constitucionais, como o do tratamento mais favorável ou o da segurança no emprego. Este documento será entregue pela Inter ao Presidente da República na quinta-feira.

“O alargamento do período experimental, a caducidade das convenções coletivas e a desregulação dos horários de trabalho são algumas das matérias da proposta de revisão do Código do Trabalho que estão feridas de inconstitucionalidades”, disse Arménio Carlos.

O Conselho Nacional da CGTP-IN decidiu também mobilizar os trabalhadores para uma concentração junto da Assembleia da República quando for a votação final da proposta de lei que vai alterar algumas das normas do Código do Trabalho.

O Conselho Nacional reafirmou a necessidade de se reforçar a ação sindical, dando particular atenção à sindicalização e à eleição de delegados sindicais e de representantes dos trabalhadores para a Segurança e Saúde no Trabalho e à intensificação da ação e da luta reivindicativa.

Segundo Arménio Carlos, entre as prioridades definidas está ainda o aumento dos salários de todos os trabalhadores, do setor público e do privado, e a fixação da referência salarial mínima em 650 euros (já conseguido nalgumas empresas), e o combate à precariedade.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
181

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)