Vázquez é um nome com alguma história inscrita na tradição da venda de frutas e legumes em Ourense, na região nordeste de Espanha. O pai do atual grande empresário da família, o fruteiro Manuel Vázquez Pardo, já tinha sido um comerciante famoso na cidade pelo sucesso nessa área alimentícia. O filho seguiu-lhe o exemplo. Teve sucesso: ao invés de dar seguimento ao negócio do pai, abriu uma empresa própria, firmou-se no universo das frutas e legumes e ganhou fama de grande empresário, possuindo sete frutarias ao fim de 20 anos de trabalho. O que só agora se sabe é que, aos os dotes de bom vendedor de bananas, melancias e frutas afins, Manuel Vázquez Pardo poderá ter aliado dotes de negociante num outro setor da economia paralela: o narcotráfico.

Há nove meses, as autoridades portuguesas começaram a suspeitar que o fruteiro de Ourense trazia outras mercadorias para Portugal, além das frutas e legumes. O primeiro contacto que tiveram com o nome terá sido quando intercetaram uma mensagem de um membro do maior cartel de droga da Colômbia, o Clã do Golfo. A mensagem, de acordo com o El Mundo (que conta a história, depois de uma primeira reportagem do Diário de Notícias), dizia o seguinte: “É um fruteiro galego que nos está a ajudar em relação ao último envio. Tem os meios e os contactos em Portugal de que precisamos para abrir uma rota a partir de Lisboa ou Porto, porque os portos galegos estão cada vez mais vigiados”.

A primeira operação que levou as autoridades portuguesas a cruzar-se com os alegados métodos de Vázquez Pardo terá acontecido dois dias depois da interceção dessa mensagem: na fronteira entre Portugal e Espanha, a polícia portuguesa deteve 11 pessoas, conjuntamente com as polícias da Colômbia, Espanha e EUA (a DEA, unidade especializada no combate ao narcotráfico). O motivo? Duas toneladas e meia de cocaína que tinham sido enviadas do porto de Cartagena com rumo a Lisboa, escondidas em contentores de fruta.

O episódio na fronteira ibérica foi o primeiro capítulo de uma operação que teve o seu epílogo este mês, dia 16 de janeiro. Na primeira interceção de droga, a polícia portuguesa não ligou o fruteiro de Ourense Manuel Vázquez Pardo ao transporte nem lho imputou. Fê-lo este mês, depois de uma interceção de mais de 400 quilos de cocaína escondidos em 40 toneladas de bananas no porto de Leixões.

A operação, em que participaram uma unidade de combate ao narcotráfico da polícia nacional espanhola e a polícia galega, teve o nome Falla — código mais curto do que Star Bananero, o nome da operação que permitiu encontrar cocaína também escondida em caixas de bananas no porto de Setúbal, em outubro passado. Desta vez, as autoridades portuguesas terão recebido um aviso da polícia espanhola sobre um carregamento vindo de Guayaquil (Ecuador) que conteria mais do que fruta, aponta o El Mundo. Depois de remover as toneladas de banana, confiscaram, secretamente, 361 quilos de cocaína e deixaram 69 quilos como “isco” para chegar aos recetores da droga, como o Diário de Notícias referiu há dias.

Operação Star Bananero. Como bananas com cocaína entraram no porto de Setúbal

O destino final seria a sede da Frutas Malvaz de Ourense. Foi para ali que foi transportado o “isco” deixado pelas autoridades, isto é, os 69 quilos de droga que não foram apreendidos. À espera para os receber estaria o grande empresário das frutas da região, acompanhado por dois colombianos (membros do cartel), um empregado de sua confiança e a mulher. Com a droga chegou também a polícia e acabaram todos detidos.

Ouvido pelo El Mundo, Fernando Alonso, gerente da Fundação Galega contra o Narcotráfico, traçou um retrato preocupante sobre a utilização de Portugal como ponto de paragem do narcotráfico: “Portugal e a Galiza são uma grande porta para o mercado europeu“.