Crime

Manuel Vázquez Pardo, o fruteiro que usou Leixões para importar bananas — e 400kg de cocaína

218

Galego teria "contactos em Portugal" para fazer entrar cocaína vinda da América Latina. É suspeito de organizar o transporte de 400 quilos de droga do Ecuador a Ourense, com paragem em Matosinhos.

Juan Manuel Vázquez tem sete frutarias abertas em Espanha

Retirada da página de Facebook do suspeito

Vázquez é um nome com alguma história inscrita na tradição da venda de frutas e legumes em Ourense, na região nordeste de Espanha. O pai do atual grande empresário da família, o fruteiro Manuel Vázquez Pardo, já tinha sido um comerciante famoso na cidade pelo sucesso nessa área alimentícia. O filho seguiu-lhe o exemplo. Teve sucesso: ao invés de dar seguimento ao negócio do pai, abriu uma empresa própria, firmou-se no universo das frutas e legumes e ganhou fama de grande empresário, possuindo sete frutarias ao fim de 20 anos de trabalho. O que só agora se sabe é que, aos os dotes de bom vendedor de bananas, melancias e frutas afins, Manuel Vázquez Pardo poderá ter aliado dotes de negociante num outro setor da economia paralela: o narcotráfico.

Há nove meses, as autoridades portuguesas começaram a suspeitar que o fruteiro de Ourense trazia outras mercadorias para Portugal, além das frutas e legumes. O primeiro contacto que tiveram com o nome terá sido quando intercetaram uma mensagem de um membro do maior cartel de droga da Colômbia, o Clã do Golfo. A mensagem, de acordo com o El Mundo (que conta a história, depois de uma primeira reportagem do Diário de Notícias), dizia o seguinte: “É um fruteiro galego que nos está a ajudar em relação ao último envio. Tem os meios e os contactos em Portugal de que precisamos para abrir uma rota a partir de Lisboa ou Porto, porque os portos galegos estão cada vez mais vigiados”.

A primeira operação que levou as autoridades portuguesas a cruzar-se com os alegados métodos de Vázquez Pardo terá acontecido dois dias depois da interceção dessa mensagem: na fronteira entre Portugal e Espanha, a polícia portuguesa deteve 11 pessoas, conjuntamente com as polícias da Colômbia, Espanha e EUA (a DEA, unidade especializada no combate ao narcotráfico). O motivo? Duas toneladas e meia de cocaína que tinham sido enviadas do porto de Cartagena com rumo a Lisboa, escondidas em contentores de fruta.

O episódio na fronteira ibérica foi o primeiro capítulo de uma operação que teve o seu epílogo este mês, dia 16 de janeiro. Na primeira interceção de droga, a polícia portuguesa não ligou o fruteiro de Ourense Manuel Vázquez Pardo ao transporte nem lho imputou. Fê-lo este mês, depois de uma interceção de mais de 400 quilos de cocaína escondidos em 40 toneladas de bananas no porto de Leixões.

A operação, em que participaram uma unidade de combate ao narcotráfico da polícia nacional espanhola e a polícia galega, teve o nome Falla — código mais curto do que Star Bananero, o nome da operação que permitiu encontrar cocaína também escondida em caixas de bananas no porto de Setúbal, em outubro passado. Desta vez, as autoridades portuguesas terão recebido um aviso da polícia espanhola sobre um carregamento vindo de Guayaquil (Ecuador) que conteria mais do que fruta, aponta o El Mundo. Depois de remover as toneladas de banana, confiscaram, secretamente, 361 quilos de cocaína e deixaram 69 quilos como “isco” para chegar aos recetores da droga, como o Diário de Notícias referiu há dias.

O destino final seria a sede da Frutas Malvaz de Ourense. Foi para ali que foi transportado o “isco” deixado pelas autoridades, isto é, os 69 quilos de droga que não foram apreendidos. À espera para os receber estaria o grande empresário das frutas da região, acompanhado por dois colombianos (membros do cartel), um empregado de sua confiança e a mulher. Com a droga chegou também a polícia e acabaram todos detidos.

Ouvido pelo El Mundo, Fernando Alonso, gerente da Fundação Galega contra o Narcotráfico, traçou um retrato preocupante sobre a utilização de Portugal como ponto de paragem do narcotráfico: “Portugal e a Galiza são uma grande porta para o mercado europeu“.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada
164

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)