Rádio Observador

Google

Não é só o Facebook. Google também anda a pagar por dados privados nos iPhones

Depois de ter sido divulgado que o Facebook paga a utilizadores menores para ver o que fazem nos iPhone, descobre-se que Google fez o mesmo à revelia da Apple. Depois da notícia, Google pede desculpa.

A Google tem enfrentado várias críticas pela forma como tenta obter dados pessoais

AFP/Getty Images

Primeiro foi divulgado que o Facebook tinha uma app disponível para os sistemas operativos da Apple para obter dados pessoais de utilizadores em troca de uma recompensa (monetária, neste caso). A app ia contra as regras da empresa e, por isso, o Facebook foi banido do programa do iOS para empresas. Agora, é divulgado pelo TechCrunch, que também divulgou o primeiro caso, que a Google também tem uma aplicação que faz o mesmo. Google assumiu que “errou” e pediu desculpas.

O programa Enterprise da Apple permite que certas entidades tenham privilégios especiais para testar aplicações entre os funcionários das empresas. Uma das principais regras é essa mesmo: é apenas para uso interno. É assim que empresas como a Google ou o Facebook testam versões de teste em aplicações para iPhone e iPad sem se precisar de utilizar a loja de apps da Apple.

O problema? Estas duas empresas abusaram deste privilégios e permitiram que não funcionários instalassem aplicações especiais, a troco de dinheiro, para obter dados de como utilizam em dispositivos da Apple. No caso da Google, a app Screenwise Meter convida utilizadores de 18 anos e acima, ou com 13 anos se fizerem parte de uma conta familiar, em troca de cartões-presente para utilizarem em serviços da Google.

Segundo o mesmo meio, a aplicação da Google é mais transparente do que a do Facebook, ao assumir que está a recolher dados pessoais, mas utiliza a mesma técnica que o Facebook utilizou para poder ter acesso a estes: o programa Enterprise da Apple.

O sistema operativo da Apple, o iOS, é mais fechado do que o Android, da Google. Por pertencer à Apple, tem várias restrições, o que leva estas empresas a tentarem contornar as regras para conseguirem obter dados de utilização. Esta informação é valiosa para este tipo de empresa, pois demonstra padrões de compras e interesses que podem ser utilizados para condicionar o que o utilizador quer ver (ou, em casos mais extremos, como se aprendeu com a Cambridge Analytica, condicionar a forma como se vota).

Se a Apple punir a Google da mesma forma que fez com o Facebook, ao retirar a empresa do programa Enterprise, outras aplicações da Google no iOS podem ser afetadas, ao não permitir que os funcionários da empresa testem novas atualizações ou funcionalidades neste sistema.

Google: “Foi um erro e pedimos desculpa”

Em resposta ao TechCrunch (e, posteriormente, ao Observador), a empresa afirma que “não devia ter tido a Screenwise Meter iOS app a funcionar dentro do programa Enterprise”. “Foi um erro e pedimos desculpa”, disse a Google. A empresa afirmou que desabilitou a app.

Fomos diretos com os utilizadores e não temos acesso a nenhum dado encriptados das apps nem dos dispositivos”, defendeu-se a Google.

*Notícia atualizada às 00h38 com resposta da Google.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)