Rádio Observador

Crédito

Portugal com 2.ª maior taxa de passivos de PPP e crédito malparado em 2017

A Eslováquia, Portugal, Hungria e o Reino Unido foram os Estados-membros que apresentaram as maiores taxas de passivos contingentes. Já relativamente ao crédito malparado, a Eslováquia está no topo.

Os projetos de parcerias público-privadas (PPP) mobilizam o setor público e o setor privado para fornecer bens e serviços que são habitualmente fornecidos pelo setor público

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Portugal tinha, em 2017, a maior segunda maior proporção (2,7% do PIB) de passivos contingentes relacionados com parcerias público-privadas (PPP) fora do balanço e de crédito malparado (1,3%) da União Europeia, divulgou esta quarta-feira o Eurostat.

Em todos os Estados-membros, segundo o gabinete estatístico da União Europeia (UE), os passivos contingentes das PPP que são contratos de construção a longo prazo em que os bens não são registados nas contas das administrações públicas, ascendiam a menos de 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

A Eslováquia (2,9% do PIB), Portugal (2,7%), Hungria (1,5%) e o Reino Unido (1,4%) foram os Estados-membros que apresentaram as maiores proporções de passivos contingentes.

No que respeita ao crédito malparado, a Eslováquia (4,0% do PIB) apresentou a maior taxa, seguindo-se Portugal (1,3%) e a República Checa (1,1%).

Os projetos de parcerias público-privadas (PPP) mobilizam o setor público e o setor privado para fornecer bens e serviços que são habitualmente fornecidos pelo setor público, ao mesmo tempo que aliviam os rigorosos condicionalismos orçamentais impostos às despesas públicas.

As PPP podem ser inscritas fora do balanço das administrações públicas, transferindo os custos de investimento do orçamento de investimento para os orçamentos de funcionamento anuais de anos futuros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

O fim do dinheiro como o conhecemos? /premium

Paulo Raposo

Os pagamentos em numerário saíram mais caros aos comerciantes que os pagamentos com cartão de débito, facto que destrói o mito urbano dos “pagamentos com cartão só acima dos 5 euros” que ainda se vê.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)