Greve

Greve dos fiscais municipais para exigir “carreira especial” começa amanhã

O protesto terá início junto ao Ministério da Administração Interna às 14h30, seguindo-se uma marcha até ao Ministério das Finanças, onde será entregue uma carta dirigida ao ministro Mário Centeno.

Os cerca de 1.200 fiscais municipais reivindicam a revisão das carreiras, o que não acontece há pelo menos 10 anos

© Global Imagens

Os fiscais municipais vão fazer uma greve de 24 horas, no dia 1 de fevereiro, para exigir a revisão das carreiras, e manifestam-se nesse dia [sexta-feira] em Lisboa.

Em comunicado divulgado pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (SINTAP) indica que o protesto terá início junto ao Ministério da Administração Interna (MAI) às 14h30, seguindo-se uma marcha até ao Ministério das Finanças, onde será entregue uma carta dirigida ao ministro Mário Centeno.

Para o recrutamento dos fiscais municipais é necessário o 12.º ano e um curso, com uma duração de quase de um ano, para ingresso na carreira. O ingresso garante aos trabalhadores um salário de 683,13 euros”, revelou o secretário-geral do SINTAP, José Abraão, em declarações à agência Lusa.

De acordo com José Abraão, houve uma reunião com os secretários de Estado da Administração Pública e das Autarquias Locais, no dia 10 de janeiro, na qual os membros do Governo consideraram algumas propostas.

Os dois secretários de Estado disseram que iam ver. Sabemos que o diploma não entrou no processo legislativo. Estamos à espera de saber e perceber se o Governo alterou o projeto diploma”, disse o secretário-geral do SINTAP, em relação à revisão das carreiras.

Os ministérios da Administração Interna e das Finanças, contactados pela agência Lusa, ainda não se pronunciaram sobre as exigências dos fiscais municipais.

José Abraão lembrou também que “a proposta está feita para que seja uma carreira especial”, defendendo a progressão pelo trabalho de fiscalização “a nível dos concelhos, nas obras públicas, na economia, no trânsito, no estacionamento”.

“São áreas determinantes para os municípios”, sublinhou.

Os cerca de 1.200 fiscais municipais, segundo o SINTAP, reivindicam a revisão das carreiras, o que não acontece há pelo menos 10 anos, reclamando a criação de três categorias, com uma carreira de especialista.

“Estamos a procurar rever uma carreira que devia ter sido revista há 10 anos, mas tem quase 20”, disse o dirigente, pedindo justiça.

“Aguardamos que possa haver algumas alterações, para que a carreira possa ser mais apetecível, tendo em consideração os municípios e os fiscais municipais”, concluiu José Abraão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral
250

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)