Rádio Observador

União Europeia

“Media” europeus instam Merkel e Macron a agir para alcançar acordo nos direitos de autor

Alemanha e França ainda não chegaram a acordo sobre diretiva. Conselho pede que países ajam para não pôr em risco a reforma-chave que assegura a sustentabilidade de uma imprensa livre e independente.

Carta enviada a Angela Merkel pede à chanceler alemã que aja para chegar a acordo a tempo na diretiva dos direitos de autor

HAYOUNG JEON/EPA

Organizações de media europeus, entre as quais a Aliança Europeia de Agências Noticiosas (AENA), instaram esta quinta-feira a chanceler alemã e o Presidente francês “a agir agora” para alcançar acordo sobre a diretiva europeia dos direitos de autor.

Os países europeus ainda não chegaram a acordo sobre a diretiva, estando o Conselho a “refletir” para chegar a uma “posição sólida”, disse fonte oficial da presidência romena da União Europeia no passado dia 28 de janeiro.

Esta quinta-feira, numa carta enviada à chanceler alemã, Angela Merkel, e ao Presidente francês, Emmanuel Macron, os presidentes de seis organizações europeias de media, entre as quais a AENA — que representa as agências de notícias — instaram os dois responsáveis “a agir agora” para chegar a “acordo a tempo na diretiva dos direitos de autor”, de forma a “não pôr em risco a reforma, que é a chave para assegurar a sustentabilidade de uma imprensa livre e independente, a qual está no coração” das democracias.

Apresentado em 2016 pela Comissão Europeia, o texto da proposta da diretiva, alvo de intensa polémica, tem vindo a ser discutido e alterado ao longo dos anos, sendo que só no final do ano passado o Conselho da UE e o Parlamento Europeu apresentaram as respetivas versões para negociarem o documento em “trílogo”. O processo está, porém, parado para que os Estados-membros consigam chegar a um acordo.

“As negociações chegaram a um momento crítico e estamos profundamente preocupados com o facto de o fracasso da Alemanha e da França em chegar a um acordo nos próximos dias pôr em risco toda a reforma dos direitos de autor da União Europeia”, referem as organizações na carta.

Os artigos polémicos desta diretiva são o 11.º e o 13.º: enquanto o artigo 11.º diz respeito à proteção de publicações de imprensa para utilizações digitais, prevendo um pagamento a essa mesma publicação na partilha de links ou de referências, o artigo 13.º prevê a criação de um mecanismo para controlar o material que é carregado nas plataformas por parte dos utilizadores, sistema este que tem sido muito criticado por não conseguir distinguir um uso legal (como a citação) de uma utilização ilegal.

“Sem uma proteção clara regulada do conteúdo dos editores, tal como proposto no artigo 11.º, a sustentabilidade da imprensa independente e do jornalismo profissional está em risco, razão pela qual o legislador europeu precisa de corrigir o desequilíbrio existente no ecossistema online“, referem as organizações, apontando que apoiam fortemente os esforços da UE no sentido de introduzir justiça e de assegurar que as plataformas online remunerem os produtores de conteúdos, jornalistas e os media, de forma adequada.

Além da EANA, a carta é subscrita por cinco organizações, entre as quais a Federação Europeia de Jornalistas (EFJ, na sigla inglesa).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)