A produção de eletricidade da EDP subiu 3% em 2018 para 72,1 Terawatts hora (TWh), com um aumento de 22% da produção renovável, foi esta quinta-feira comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

De acordo com a informação remetida ao mercado, no período de referência, a produção eólica subiu 2% para 28.133 Gigawatts hora (GWh), “com o aumento da capacidade a compensar os menores fatores de utilização”.

Depois de um ano de seca, em 2018 a produção hídrica subiu 70% para 19.387 GWh, “com os recursos hídricos mais elevados na Península Ibérica e Brasil”.

No ano passado, a capacidade instalada da elétrica aumentou 1% para 27,1 Gigawatts (GW), com 74% a partir de fontes renováveis.

“Toda a nova capacidade nos últimos 12 meses foram parques eólicos (+625 MW), maioritariamente na América do Norte (+278 MW). Este número já está líquido da venda de 200 MW de capacidade eólica nesta geografia. A capacidade hídrica reduziu-se 3% neste período, reflexo da venda de mini-hídricas em Portugal e no Brasil” no quarto trimestre de 2018, indicou, a empresa liderada por António Mexia.

Já o volume de eletricidade comercializada na Ibéria reduziu-se 4,9% em 2018, em comparação com o ano anterior, para 30.669 GWh, devido “aos menores volumes vendidos no segmento industrial em Espanha”.

Por último, o volume de eletricidade distribuída cresceu em todos os mercados da energética, com destaque para Portugal com uma subida homóloga de 2,6% para 50.263 Gwh, impulsionada, sobretudo, “pelo segmento residencial, e pelo Brasil com uma subida de 3,1%”.

Na sessão desta quinta-feira da bolsa, a EDP somou 1,11% para 3,19 euros.