Rádio Observador

Açores

Recuperação de serviço nos Açores abrange mais de quatro mil docentes

Todos os docentes que prestaram serviço nos Açores entre 2011 e 2017 serão beneficiados. Medida visa a recuperação do tempo de serviço dos professores para efeitos de progressão de carreira.

A recuperação será faseada entre 2019 e 2024 e a recuperação anualmente do tempo de serviço dos docentes far-se-á no dia 1 de setembro

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário regional da Educação e Cultura dos Açores afirmou esta quinta-feira que a recuperação do tempo de serviço do pessoal docente no arquipélago vai abranger, ao longo de seis anos, entre 4.000 a 4.500 professores.

“São beneficiados com esta medida todos os docentes que prestaram serviço na região entre 2011 e 2017. Estima-se que o número ande entre os 4.000 a 4.500 professores. Esse número será apurado com rigor necessário na devida altura”, explicou Avelino Meneses, falando em sede de comissão no parlamento dos Açores.

O Governo Regional dos Açores aprovou este mês uma proposta de decreto legislativo que visa a “recuperação do tempo de serviço dos professores” para efeitos de progressão de carreira.

O titular pela pasta da Educação nos Açores falava, em declarações aos jornalistas, após ter sido ouvido, na qualidade de proponente, em audição na Comissão Permanente de Assuntos Sociais da Assembleia Legislativa Regional sobre a proposta de decreto legislativo da recuperação do tempo de serviço prestado em funções docentes.

Avelino Meneses lembrou que a recuperação será feita de modo faseado “entre 2019 e 2024 e a recuperação anualmente far-se-á no dia 1 de setembro”. O governante especificou que esses professores do sistema educativo regional “recuperam o seu tempo de serviço por seis anos de 2019 até 2024 à razão de 426 dias por ano”.

“Claro que isto pode ser ligeiramente alterado consoante a existência de mais ou menos aposentações nos anos anteriores”, acrescentou. Avelino Meneses esclareceu ainda que “os professores que não tenham prestado serviço durante estes sete anos serão também contemplados”, já que se fará a contabilização do tempo de serviço de “forma proporcional”. Também os professores que eram contratados terão a possibilidade de beneficiar deste regime quando ingressarem nos quadros.

Aos deputados da comissão, o secretário regional da Educação reiterou que esta proposta permite “um regime que sai em benefício dos professores” que integram o sistema educativo regional e que “possuem uma avaliação qualitativa mínima de bom”.

Avelino Meneses frisou que o Governo açoriano, socialista, chegou “a esta solução com pioneirismo” e “com segurança”, salientando que “este sistema não está condicionado a qualquer obrigação orçamental”. “O que não acontece na Madeira e, também, com a proposta que foi entregue no Parlamento [dos Açores] pelo PSD”, apontou.

“Chegámos a esta solução com pioneirismo porque o Governo dos Açores já em 2008 procedeu à recuperação de dois anos de serviço prestado pelos professores entre 2005 e 2007. E convém sublinhar que isso foi um ato único nos Açores de Carlos César que não teve acompanhamento nem na Madeira de Alberto João Jardim, nem em Portugal continental de José Sócrates”, sustentou.

Questionado pelos jornalistas sobre o que representa a medida em termos financeiros, o titular pela pasta da Educação disse que não ia adiantar para já números, porque não os deu na comissão, onde a questão foi também levantada, mas, “quando forem avaliados ao pormenor, serão dados a conhecer”.

Antes da audição do secretário regional da Educação e Cultura, a comissão aprovou por unanimidade a audição presencial dos dois sindicatos dos professores na região.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
756

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)