Rádio Observador

Angola

A cerimónia de exumação de Savimbi já aconteceu

O ato ocorreu na presença de uma delegação da UNITA e do Governo. A exumação e a recolha das amostras para o exame de DNA foi feita por técnicos portugueses, sul-africanos e angolanos.

Savimbi foi morto em a 22 de fevereiro de 2002

PAULO JULIÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A cerimónia de exumação e recolha de amostras dos restos mortais do líder fundador da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Jonas Savimbi, realizou-se esta quinta-feira no Luena, província do Moxico, disse à Lusa fonte do partido.

A informação foi avançada à agência Lusa pelo porta-voz do maior partido da oposição angolano, Alcides Sakala.

Alcides Sakala referiu que o ato teve lugar na manhã desta quinta-feira na presença de uma delegação da UNITA e do Governo.

Segundo Alcides Sakala, realizou-se a exumação e a recolha das amostras para o exame de DNA, a ser feita por técnicos portugueses, sul-africanos e angolanos, nos respetivos países.

“Penso que a partir de agora os técnicos vão começar a trabalhar e vamos ver a evolução desse processo”, salientou o porta-voz da UNITA, acrescentando que não há ainda uma previsão para a divulgação dos resultados.

No ato participaram da parte da UNITA, o coordenador da comissão organizadora das exéquias de Jonas Savimvi, Joaquim Ernesto Mulato, Rafael Massanga Savimbi, Durão Savimbi e Kanganjo Savimbi, filhos do primeiro presidente do partido, um sobrinho, o porta-voz do partido e deputado Maurílio Luiele.

Da parte governamental, avançou Alcides Sakala, esteve presente uma delegação bastante vasta, chefiada pelo general Cequeira, ligado à Casa Militar do Presidente da República.

Jonas Savimbi foi morto em combate no dia 22 de fevereiro de 2002 e os seus restos mortais foram sepultados no cemitério de Luena, capital do Moxico.

Recolha das amostras para o exame de DNA

A delegação multidisciplinar integra membros da direção da UNITA, familiares de Savimbi e representantes da comissão de trabalho para a exumação do corpo do antigo líder do partido, composta também por um médico legista, um inspetor da Direção Geral de Saúde e representantes da Genética de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto, além de técnicos forenses.

O secretário para Comunicação adiantou que os testes de ADN vão ser feitos em laboratórios em Angola, África do Sul e Portugal, e devem ficar prontos num período de 15 a 20 dias.

Os familiares de Jonas Savimbi pretendiam que os exames de ADN fossem feitos em laboratórios de França, mas o Governo sugeriu que fossem feitos em Angola e Portugal.

Terça-feira, o vice-presidente da UNITA, Raul Danda, indicou à agência Lusa que as cerimónias fúnebres de Savimbi deverão acontecer na primeira semana de abril, enquanto prossegue o diálogo com o Governo angolano relativamente aos procedimentos e às datas concretas de exumação e inumação dos restos mortais.

“Tudo aponta para abril, para a primeira semana de abril, para que isto ocorra”, disse o vice-presidente da UNITA.

Segundo o dirigente do partido do “Galo Negro”, o ato de exumação dos restos mortais de Savimbi, que permanecem, segundo o Governo angolano, no cemitério do Luena, será ainda realizado o exame de ADN, até porque, recordou, o partido, como tem “reiteradas vezes” afirmado, quer “receber o corpo de Jonas Savimbi e não um outro qualquer”.

“Vão fazer-se os procedimentos para que o corpo nos seja entregue, ao mesmo tempo que o Governo cuida das questões para assegurar que temos condições de segurança para podermos fazer a inumação em Lopitanga, no Bié, onde o resto da família repousa e onde, por vontade do Dr. Savimbi, também irá repousar”, salientou.

Relativamente às honras de Estado recusadas pelo Governo angolano, Raul Danda disse que o partido nunca as solicitou aos governos do ex-Presidente de Angola José Eduardo dos Santos ou ao atual, de João Lourenço.

O Governo garantiu no início deste mês estarem criadas as condições para a exumação dos restos mortais de Jonas Savimbi, mas avisou que o funeral não terá honras de Estado, uma vez que o antigo presidente da UNITA “não pertencia à família governamental quando faleceu”.

“Consideramos que o Dr. Savimbi não cabe só na UNITA, em Angola, na região austral de África. O Dr. Savimbi cabe na África inteira e no mundo”, considerou o vice-presidente da organização política, lamentando que a recusa tenha vindo da parte do Governo, que deve primar pela reconciliação nacional e inclusão dos angolanos.

“Se calhar viria o próprio executivo, primeiro, para dizer que, em nome da reconciliação nacional, em reconhecimento que este homem, ao nível de Agostinho Neto e Holden Roberto, deu tudo para que este país fosse uma República, fosse uma pátria independente, uma nação independente. Devia ser o executivo a propor que houvesse essas honras, porque, de facto, o Dr. Savimbi merece”, disse.

Contudo, garantiu que a UNITA tem a certeza que Savimbi receberá “todas as honras que merece, dadas por milhões de angolanos e até por estrangeiros que hão de reconhecer o trabalho que fez”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)