Cirurgia

Todas as cirurgias oncológicas deviam ser abrangidas pelos serviços mínimos

236

Se a quimioterapia faz parte dos serviços mínimos e não se atrasa, então a cirurgia, "a primeira arma e arma mais eficaz" não devia ser adiada, diz o coordenador do Programa para Doenças Oncológicas.

A greve prevê abranger sete centros hospitalares: São João e Centro Hospitalar do Porto, Centro de Entre Douro e Vouga, Gaia/Espinho, Tondela/Viseu, Braga e Garcia de Orta

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O coordenador do Programa Nacional para Doenças Oncológicas, Nuno Miranda, defendeu esta quinta-feira que as cirurgias oncológicas devem ser todas abrangidas pelos serviços mínimos da greve dos enfermeiros, advertindo que o seu adiamento pode comprometer o tratamento do doente.

“Tenho muita dificuldade em perceber que se faça greve a cirurgias oncológicas, porque se a quimioterapia faz parte dos serviços mínimos e não se atrasam a quimioterapia e a radioterapia, acho que a cirurgia, até pela importância que tem na oncologia como primeira arma e arma mais eficaz na maioria dos casos, devia ser abrangida também pelos serviços mínimos”, disse Nuno Miranda em entrevista à agência Lusa.

O médico oncologista sublinhou que é preciso pensar quais são as “maneiras mais adequadas” e “sem comprometer o direito dos trabalhadores” para minimizar o impacto da greve dos enfermeiros às cirurgias programadas, cujos serviços mínimos apenas abrangem as operações oncológicas mais prioritárias.

“Independentemente da muita razão que assiste aos enfermeiros nas suas reivindicações, não estou minimamente a pôr isso em causa, a cirurgia oncológica tem que ser repensada porque senão podemos estar a comprometer o tratamento logo desde o início porque vai atrasar tratamentos que podiam ser mais eficazes”, defendeu Nuno Miranda.

Por isso, sustentou, é preciso pensar-se “quais são as maneiras mais adequadas, e sem comprometer os direitos dos trabalhadores, que têm de ser respeitados”, para que a greve tenha “um menor impacto em situações de crise como são as de doença oncológica”.

Uma fonte do Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) explicou à Lusa que estão abrangidos pelos serviços mínimos as cirurgias oncológicas com prioridade três e quatro.

Em relação à primeira greve cirúrgica, que durou mais de um mês, Nuno Miranda disse que houve cirurgias oncológicas adiadas, sublinhando que atualmente está em curso “um programa para recuperação dos atrasos sem compromisso das cirurgias já agendadas”.

“Não é apenas empurrar tudo para a frente para encaixar esses doentes, é um programa verdadeiramente de recuperação e que neste momento está a ter sucesso e se espera ultrapassar o aumento de necessidades”, sublinhou.

Segundo dados avançados pela ministra da Saúde, Marta Temido, a greve levou ao adiamento de mais de 7.500 operações, das quais 45% já foram, entretanto, realizadas.

Em declarações anteriores à agência Lusa relativamente ao primeiro período de greve, a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, afirmou que os profissionais cumprem escrupulosamente os serviços mínimos decretados.

“Espero que não venham acusar os enfermeiros de estarem a ser eticamente incorretos relativamente ao cumprimento dos mínimos. Os enfermeiros estão a cumprir tudo o que é exigido em termos de serviços mínimos e até além disso”, comentou Lusa a representante dos enfermeiros, indicando que houve até cirurgias oncológicas com menos tempo de espera.

A greve dos enfermeiros em blocos operatórios de sete hospitais públicos arrancou hoje, estendendo-se até ao final de fevereiro, tendo sido convocada pela Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) e o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor).

A greve prevê abranger sete centros hospitalares: São João e Centro Hospitalar do Porto, Centro de Entre Douro e Vouga, Gaia/Espinho, Tondela/Viseu, Braga e Garcia de Orta.

No final da semana passada o Sindepor lançou um novo pré-aviso para alargar a greve a mais três centros hospitalares entre 08 e 28 de fevereiro: Centro Hospitalar de Coimbra, Centro Hospitalar Lisboa Norte e Centro Hospitalar de Setúbal.

Segundo os presidentes da ASPE e do Sindepor, os principais pontos que separam Governo e sindicatos são o descongelamento das progressões na carreira e o aumento do salário base dos enfermeiros.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Medicina

Reflexões de um jovem médico dentista

Luís Pereira Azevedo
122

77% dos Médicos Dentistas formados há menos de 2 anos têm uma remuneração inferior a 1500 euros brutos mensais. É grande a situação de precariedade e incerteza com que a profissão atualmente se depara

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)