Turismo

Concertação Social debate turismo numa altura em que o setor arrefece

Os últimos dados do INE, referentes a novembro de 2018, mostram que o ano foi de redução. Nos primeiros 11 meses do ano passado, o total de dormidas reduziu-se em 0,2%, para 54,7 milhões.

O 'Brexit' (saída do Reino Unido da União Europeia) é um dos fatores que mais pode afetar o setor em Portugal

MÁRIO CRUZ/LUSA

Os parceiros sociais reúnem-se, esta sexta-feira, na Concertação Social para debater o Turismo, numa altura em que o setor regista alguns sinais de desaceleração.

Os últimos dados do INE, referentes a novembro de 2018, mostram que o ano foi de redução, ainda que se registe uma recuperação naquele mês. Assim, nos primeiros 11 meses do ano, o total de dormidas reduziu-se em 0,2%, para 54,7 milhões, com destaque para a Madeira, que viu este indicador cair 3,8% para 6,8 milhões, para o Centro, que reduziu as dormidas em 3,3% (5,2 milhões) e para o Algarve (menos 1,3%, para 18,2 milhões de dormidas).

De acordo com o instituto, no mês de novembro, em termos de dormidas de não residentes, os maiores decréscimos ocorreram nas Regiões Autónomas dos Açores (-7,7%) e Madeira (-4,8%). Desde o início do ano, houve aumentos de dormidas de não residentes no Alentejo (+7,5%) e Norte (+6,1%) e, em sentido contrário, registaram-se decréscimos no Centro (-11,9%) e Algarve (-4,3%).

Paralelamente, a taxa de ocupação da hotelaria portuguesa recuou 1,22 pontos percentuais em novembro último face ao período homólogo, para 59%, mas o preço médio por quarto ocupado e disponível aumentou 7% e 5%, respetivamente, segundo a associação setorial, uma tendência que se tem verificado ao longo dos últimos meses.

De acordo com o indicador mensal ‘Tourismo Monitors’ da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), em novembro, Lisboa (77%), Madeira (75%) e o Grande Porto (69%) foram os destinos turísticos com a taxa de ocupação mais elevada.

Nos indicadores preço médio por quarto ocupado (ARR) e preço médio por quarto disponível (RevPar), registou-se uma subida de 7% e 5%, respetivamente, face ao período homólogo, para 79 e 46 euros, pela mesma ordem.

O ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia) é um dos fatores que mais pode afetar o setor em Portugal.

De acordo com um estudo da CIP — Confederação Empresarial de Portugal, “em 2016, passaram por Portugal cerca de dois milhões de hóspedes britânicos que despenderam mais de 9,5 milhões de noites. De facto, a larga maioria dos turistas europeus que chegaram a Portugal em 2016 eram ingleses, representando 21% dos hóspedes e 28% das dormidas em estabelecimentos hoteleiros, tendo crescido a um ritmo médio anual desde 2010 de cerca de 10% ao ano em ambos os casos”.

Em declarações à agência Lusa durante o Congresso Nacional da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), em novembro, o presidente desta entidade, Pedro Costa Ferreira, referiu a concorrência de destinos que estão novamente em crescimento: “Penso na Tunísia, penso no Egito, penso, sobretudo, na Turquia e verificaremos que importantes concorrentes nossos estão agora a crescer de forma fulgurante e, claramente, que não vão representar vento pelas costas, vamos dizer desta maneira”.

Os problemas de tráfego no aeroporto de Lisboa estão também entre as preocupações do setor. O administrador da ANA – Aeroportos de Portugal Francisco Pita admitiu que o aeroporto de Lisboa “perde 1,8 milhões de passageiros por ano”, dada a atual lotação daquela infraestrutura aeroportuária.

O presidente da Confederação do Turismo Português (CTP), Francisco Calheiros saudou que a reunião de hoje de Concertação Social seja exclusivamente dedicada ao Turismo, com a presença do ministro da Economia, Pedro Siza Vieira.

No encontro serão abordados os “desafios e oportunidades” do setor e “claramente entre os desafios mais prementes neste momento está a questão do aeroporto” Montijo+Portela e a questão do ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia, depois de um referendo).

Por sua vez, a CGTP não tem nenhuma expectativa em relação a este tema, mas acredita que venha a debate a evolução do turismo, as consequências do ‘Brexit’ para o setor (redução de turistas ingleses) e o novo aeroporto.

“Certamente que o que vai estar em discussão será uma visão macro-estratégica do turismo, mas nós vamos aproveitar para identificar os problemas laborais do setor e defender a necessidade de valorização dos seus trabalhadores, dado que muitos ganham o salários mínimo. Não podemos analisar o setor pela lógica dos grandes hotéis, temos de pensar também na restauração e nas agências de viagens”, referiu Arménio Carlos, secretário-geral da CGTP.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Empresas

Accionista e operador de máquinas: bons amigos?

Rui Esperança

A perpetuação do modelo da melhoria dos resultados das empresas à custa dos salários baixos e do consequente enriquecimento dos accionistas tem de mudar. Sem as pessoas, as empresas são pouca coisa.

Abusos na Igreja

Mr. McCarrick, I presume? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Quando a Igreja castiga os clérigos pedófilos, com o máximo rigor que a lei canónica permite, age de acordo com o exemplo e a doutrina do seu divino Mestre.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)