“Não sabemos se um sono adequado pode proteger-nos do Alzheimer”, mas, pelo sim, pelo não, “é algo que devemos experimentar”. O conselho é de David Holtzman, o professor que esteve à frente da equipa de investigadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington, situada em St. Louis, Missouri. E o que a equipa fez foi conseguir estabelecer uma nova ligação entre a qualidade do sono e o surgimento de demência. A ponte entre perturbações de sono e a doença de Alzheimer há muito que está a ser estudada, mas o artigo que a equipa publicou na revista Science, no final de janeiro, traz algumas novidades.

Já sabíamos que os problemas de sono e a doença de Alzheimer estão associados devido a uma outra proteína — a beta amiloide — mas o que este estudo revela é que a perturbação do sono provoca o aumento rápido da proteína prejudicial tau e faz com que ela se espalhe ao longo do tempo”, explica David Holtzman.

A proteína tau, que existe normalmente no cérebro humano, pode conduzir ao aparecimento de demência em situações específicas. Quando se aglomera, pode danificar o tecido que se encontra próximo de si e promover o declínio mental. Essa era a parte já conhecida. O que a equipa da universidade norte-americana vem agora provar, depois de testes em cérebros humanos e em cérebros de ratos, é que a falta de sono leva a um crescimento anormal da tau.

Alzheimer pode ser detetado até 16 anos antes dos primeiros sintomas com um teste sanguíneo, diz estudo

“Ainda não sabemos se ter um sono de qualidade nos vai proteger do Alzheimer. Mas mal não faz e até pode vir a desacelerar a doença. Dormir uma boa noite de sono é algo que todos nós devíamos tentar fazer”, explica o investigador, citado pela CBS Philly.

“Os nossos cérebros precisam de tempo para recuperar do stress do dia a dia”, acrescentou David Holtzman, que é também diretor do Departamento de Neurologia da universidade de Washington. No entanto, frisou que ainda não é possível garantir que o sono de qualidade proteja da demência. É nesse sentido que a investigação aponta, mas são necessárias mais evidências científicas.

“O interessante deste estudo é que sugere que fatores da nossa vida real, como o sono, podem afetar a velocidade com que uma doença se espalha pelo cérebro”, conclui o professor.

E se matar neurónios não for assim tão mau?

Para chegar a estas conclusões, a equipa recolheu amostras de cérebro e de medula espinhal de oito pessoas após uma noite normal de sono. O mesmo processo foi repetido depois de uma noite em que as mesmas oito pessoas foram mantidas acordadas.

Na segunda situação, os níveis de tau aumentaram quase 50% nos cérebros humanos.