Rádio Observador

Manifestações

Manifestação antifascista reúne cerca de 400 pessoas em Lisboa

1.144

A concentração começou por volta das 18h30 e prevê-se que termine ao início da noite. Promotores lamentam que a extrema-direita esteja a ganhar mais aceitação social e presença parlamentar.

"Alerta, alerta, antifascistas", "fascistas, racistas, fora das nossas vidas", e "não esquecemos, não perdoamos" foram algumas palavras de ordem da concentração

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Cerca de quatro centenas de pessoas concentraram-se esta sexta-feira ao final da tarde no Rossio, em Lisboa, numa manifestação contra o fascismo apoiada por seis dezenas de associações e coletivos, recordando vítimas do racismo e da repressão.

Apesar do mau tempo, com chuva e granizo, os participantes começaram a concentrar-se cerca das 18h30 e pouco depois das 19h00 estavam a subir a Rua do Carmo, em direção ao Largo de Camões, onde a iniciativa vai terminar ao início da noite. Para esta praça estavam previstos concertos, entretanto cancelados devido ao mau tempo, pelo que apenas vão ocorrer intervenções de participantes.

“Alerta, alerta, antifascistas”, “fascistas, racistas, fora das nossas vidas”, e “não esquecemos, não perdoamos” — numa referência a vítimas mortais de crimes de ódio e repressão — têm sido algumas das palavras de ordem da concentração, onde são vistas bandeiras negras.

Numa das faixas surgiu o rosto de Alcino Monteiro, cidadão português de origem cabo-verdiana espancado até à morte, em 1995, no Bairro Alto, em Lisboa.

Na descrição da manifestação na rede social Facebook, os promotores lamentam que a extrema-direita esteja a “ganhar mais aceitação social e presença parlamentar” em alguns países, e referem que “o fascismo já está presente em cada despejo, em cada trabalho precário, em cada rusga policial em bairros populares, em cada migrante assassinado às portas do ‘primeiro mundo’, em cada mulher morta pela violência machista”.

“Saímos à rua para gritar bem alto que não toleramos a normalização de discursos fascistas e grupos/partidos de extrema-direita”, dizem.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
105

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)