Rádio Observador

Venezuela

Portugal coordena com outros países reconhecimento de Guaidó na segunda-feira

109

Após o fim do prazo dado a Nicolás Maduro para convocar eleições livres "será feito aquilo que o ultimato diz, que é reconhecer a autoridade do presidente da Assembleia Nacional",disse o MNE.

Portugal, Espanha, França, Alemanha, Holanda e Reino Unido deram um prazo de 8 dias, a contar de sábado, para Nicolás Maduro convocar eleições

CRISTIAN HERNANDEZ/EPA

O prazo dado por Portugal e outros cinco países europeus para marcação de eleições presidenciais na Venezuela termina no domingo, pelo que na segunda-feira haverá um “reconhecimento político” individual, mas coordenado, ao opositor Juan Guiadó, disse esta sexta-feira o Governo português.

Após o fim do prazo de oito dias (a contar desde sábado) dado por Portugal, Espanha, França, Alemanha, Holanda e Reino Unido ao Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, “será feito aquilo que o ultimato diz, que é reconhecer a autoridade do presidente da Assembleia Nacional [Juan Guaidó], nos termos da Constituição venezuelana”, disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva.

Ainda assim, Portugal “não reconhece juridicamente governos, reconhece Estados”, pelo que “não estamos a falar de uma questão jurídica e de Direito Internacional”, mas sim de “um reconhecimento político”, explicou o governante, que falava no final de uma reunião informal com outros homólogos da União Europeia (UE) em Bucareste, na Roménia.

Trata-se, assim, de “uma decisão nacional de cada Estado-membro”, acrescentou.

“Evidentemente, os países que acompanharam a calendarização do ultimato […] procurarão coordenar as suas decisões soberanas de forma a que, na segunda-feira, falemos todos a uma só voz porque isso dá muita força”, adiantou o responsável.

Augusto Santos Silva reiterou que “só há uma saída para a crise política na Venezuela, que é a realização de eleições presidenciais, tão brevemente quanto possível, e segundo regras credíveis”.

Por essa razão, na quinta-feira, a UE “renovou o apelo para que Nicolás Maduro aceite participar nesse processo”, assinalou o governante.

A crise política na Venezuela agravou-se com a autoproclamação de Juan Guaidó, líder que contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos (EUA) e que prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos EUA.

Entretanto, na quinta-feira, a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, anunciou a constituição de um grupo de contacto internacional para alcançar, em 90 dias, uma saída pacífica e democrática para a crise na Venezuela com a realização de eleições presidenciais.

O grupo integra, do lado europeu, a UE e Estados-membros como Portugal, Espanha, França, Itália, Alemanha, Reino Unido, Holanda e Suécia e, do lado latino-americano, Bolívia, Costa Rica, Equador e Uruguai, mas novos membros deverão ser anunciados nos próximos dias.

A primeira reunião do grupo, a nível ministerial, realiza-se na próxima semana.

Falando sobre este grupo, Augusto Santos Silva afirmou que o interlocutor venezuelano da UE é Juan Guaidó.

“O tempo de Maduro já passou e a questão é saber se a transição que é inevitável na Venezuela — porque o regime perdeu qualquer apoio popular e social e qualquer legitimidade política — se pode fazer de forma pacífica, sem confrontação interna, nem intervenção externa”, adiantou Santos Silva.

A reunião que termina esta sexta-feira, em Bucareste, decorreu no palácio do Banco Nacional da Roménia, numa altura em que a Presidência da UE é assumida por este país, e teve como principal assunto a crise política na Venezuela.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)