Rádio Observador

Venezuela

Venezuela. Guaidó apresenta plano para combater crise e faz um teste às Forças Armadas

140

O autoproclamado Presidente desafia a recusa do governo de receber ajuda humanitária e explica que "todo o plano para resgatar a Venezuela passa por a libertar das forças que a oprimem".

Guaidó explicou que a ajuda para a Venezuela incluirá medicamentos que podem salvar vidas

LEONARDO MUNOZ/EPA

O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, apresentou na quinta-feira o plano da oposição para combater a crise económica, social e política no país, no qual se contempla a criação de um Governo de transição.

O programa, intitulado de ‘Plano País’, foi apresentado no auditório da Escola de Ciências Económicas e Sociais da Universidade Central da Venezuela, onde explicou que “todo o plano para resgatar a Venezuela passa por a libertar das forças que a oprimem”.

Depois da libertação é imperativo recuperar o Estado venezuelano e colocá-lo ao serviço do povo, dar poder aos venezuelanos para que libertem as suas forças criativas e produtivas, e reinserir o país” no universo “das nações livres do mundo”, explicou.

Guaidó sublinhou o programa tem como prioridade “resgatar o direito e a democracia”, assim como “restabelecer a sua capacidade para fornecer bens e serviços públicos”, bem como de “criar mecanismos para prestação de contas que possam ser monitorizados pelos cidadãos”.

Por outro lado, procura “estabelecer e cumprir regras que respeitem os direitos das pessoas, promovam o empreendimento, a competência e sirvam como complementos das iniciativas próprias da sociedade”.

“Restabelecer os mecanismos do mercado e as liberdades económicas (…) eliminar os sistemas de controlos que afogam a produção nacional, recriar um sistema judicial independente que garanta a propriedade privada, o Estado de direito e proteja os cidadãos” são outros dos objetivos.

Com o plano pretende-se também “avançar com uma política social solidária”, recuperar a soberania e acabar com “a influência de grupos criminosos”, assim como “acelerar a reconstrução da Venezuela e contar com a ajuda da comunidade internacional para atender, com caráter de urgência, à emergência humanitária complexa que afeta o país”.

No texto do “Plano País”, lê-se que as grandes prioridades passam por estabilizar a economia, reativar a indústria petrolífera e criar uma nova lei de hidrocarbonetos, bem como assegurar o acesso a serviços públicos de qualidade, garantir a segurança cidadã integral, gerar confiança e segurança jurídica”.

O mesmo texto estabelece como metas, entre outras, “aceder à banca multilateral para solicitar financiamento e ajuda económica internacional, (…) recapitalizar a banca e reativar o mercado de capitais, promover os investimentos internacionais, dar abertura ao investimento privado”.

Do programa faz parte garantir o abastecimento e o acesso a bens e serviços de primeira necessidade, a atenção especializada nos setores da saúde, educação e nutrição, promover empregos de qualidade e proteger o ingresso familiar.

Na área da segurança, o “Plano País” prevê igualmente a desmilitarização, despolitização e descentralização dos organismos de segurança, a reestruturação das instituições e da atuação dos organismos policiais.

Teste às forças armadas da Venezuela

O líder da oposição venezuelana disse que vai desafiar a recusa do Governo de receber ajuda humanitária ao enviar grandes quantidades de medicamentos para o país com a ajuda de nações vizinhas, num teste às forças armadas.

Em entrevista à agência de notícias Associated Press, Juan Guaidó defendeu que a medida será um “novo teste” para as forças armadas da Venezuela, cujas altas patentes ficaram do lado do Presidente socialista Nicolas Maduro desde que os protestos contra o seu Governo começaram na semana passada.

“Dentro de algumas semanas, eles terão de escolher se deixam a ajuda necessária a entrar no país, ou se ficam do lado de Nicolás Maduro”, explicou Guaidó, que recentemente ofereceu uma amnistia aos militares, em mais um esforço para os incentivar a desertar da administração Maduro.

Guaidó explicou que a ajuda para a Venezuela incluirá medicamentos que podem salvar vidas, que são escassos na Venezuela, e serão transportados por veículos que vão chegar a vários pontos de fronteira, depois de serem transportados para “portos amigáveis” localizados em países vizinhos.

“Não estamos apenas a receber ajuda dos Estados Unidos”, observou Guaidó. “Nos próximos dias anunciaremos uma coligação global para enviar ajuda à Venezuela”, anunciou.

Guaidó, de 35 anos, declarou-se Presidente interino da Venezuela na semana passada, recebendo o apoio, entre outros países, dos Estados Unidos, Canadá e da maioria dos países sul-americanos, bem como da União Europeia.

No início desta semana, os Estados Unidos anunciaram sanções que podem custar à administração de Maduro até dez mil milhões de euros no próximo ano. A reivindicação de Guaidó à presidência venezuelana foi apoiada por protestos durante os quais pelo menos 35 pessoas foram mortas e mais de 900 foram detidas, segundo organizações não-governamentais de defesa de direitos humanos.

Guaido disse que ainda vê a realização de eleições transparentes como a melhor saída para a crise política da Venezuela, mas defendeu que Maduro não as concederá facilmente, a menos que seja pressionado a fazê-lo por meio de sanções económicas, protestos de rua e dos militares. “Temos que corroer os pilares que sustentam esta ditadura”, sublinhou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)