Angola

Bairro da Jamaica. Grupo de angolanos pede a Governo angolano que proteste junto de Portugal

1.387

Grupo manifestou-se em Luanda para pedir ao Governo que apresente "um protesto" formal perante Lisboa. Em causa estão os incidentes no bairro da Jamaica, com cidadãos angolanos.

O Bairro da Jamaica está em processo de realojamento

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um grupo de uma dezena de angolanos pediu este sábado em Luanda “um protesto ao Estado português” por parte de Angola por causa dos incidentes entre polícia e moradores do bairro da Jamaica, no Seixal, alegando que “foram vítimas alguns angolanos”.

Os subscritores desta “declaração de tomada de posição”, apresentada publicamente em Luanda, dizem-se “indignados” com os acontecimentos do mês passado em Portugal, em Vale de Chícharos, conhecido como bairro da Jamaica, e com as “declarações de xenofobia que daí advieram”.

Os signatários, onde se incluem ativistas do grupo 15+2, que contestavam o Governo angolano de José Eduardo dos Santos e que foram condenados em 2016 por rebelião e associação de malfeitores, defendem que Angola “exija do Estado português a responsabilização civil e criminal dos cidadãos portugueses promotores de declarações racistas”.

Se o Estado angolano “se mantiver impávido”, este grupo promete “uma série de manifestações diante da Embaixada de Portugal em Angola e do Consulado de Portugal em Benguela”, assim como “uma campanha nacional de boicote a tudo quanto é produto de origem portuguesa” e outras medidas posteriores visando os portugueses que vivem no país, que serão explicadas “em momento oportuno”, disse à Lusa Nuno Dala, um dos integrantes do processo 15+2, que afirmou ser “contra violência”.

“Naturalmente que há muita apreensão, há uma espécie até de medo generalizado, mas estamos a agir ponto a ponto. E note bem, desde que se deram os acontecimentos no Seixal, no bairro da Jamaica, já decorreram vários dias, já estamos a falar de aproximadamente um mês, e em Angola não se conhece nenhuma situação irracional, violenta”, disse Nuno Álvaro Dala. “Por enquanto, queremos garantir que não somos cegos, não somos violentos”, disse.

Afonso Matias “Mbanza Hanza”, subscritor da declaração, disse estar “indignado” com o “estranho silêncio” do Estado angolano. “Desde já não é certo, tem de se condenar e averiguar por que é que a PSP chegou a esse ponto, esse pronunciamento deveria acontecer, porque é estranho que o Estado angolano não se pronuncie e o pronunciamento do consulado angolano em Portugal foi uma vergonha”, afirmou.

Dito Dali, que se manifesta “solidário” com os habitantes do bairro da Jamaica, sublinhou que este grupo tomou uma posição tendo em conta o “silêncio do Estado angolano que lhe é característico diante certo tipo de situações”. “Não podemos aceitar que diante da brutalidade que os nossos irmãos passam todos os dias em Portugal o Estado angolano se remeta pura e simplesmente ao silêncio em sinal de alguma cumplicidade”, afirmou.

O Governo de Angola apelou a 25 de janeiro à população a abster-se de participar em qualquer iniciativa que coloque em causa a ordem e tranquilidade pública, na sequência dos acontecimentos registados com cidadãos angolanos no bairro da Jamaica. Num comunicado, o Ministério do Interior de Angola relacionou o apelo com o facto de estar a “acompanhar, com alguma preocupação”, diversos “pronunciamentos de vários cidadãos nacionais e estrangeiros” após os desacatos naquele bairro do Seixal.

“Considerando que alguns destes pronunciamentos incitam e instigam a desordem e a violência, o que é punível pela lei penal angolana, o Ministério do Interior apela à população a abster-se de participar em quaisquer iniciativas que possam colocar em causa a ordem e a tranquilidade públicas, a integridade física dos cidadãos nacionais ou estrangeiros, bem como a propriedade privada, tornando público que os seus órgãos não permitirão que a ordem social seja subvertida”, lê-se no documento.

No comunicado, o Ministério do Interior angolano aconselhou todos os cidadãos a aguardarem “com serenidade” os resultados do inquérito mandado instaurar pelas autoridades portuguesas e adianta que as estruturas competentes do Governo de Angola estão a acompanhar a questão.

Em 20 de janeiro, a polícia foi chamada a Vale de Chícharos (conhecido como Bairro da Jamaica) após ter sido alertada para “uma desordem entre duas mulheres”. Segundo a PSP, um grupo de homens reagiu à intervenção dos agentes da polícia quando estes chegaram ao local, atirando pedras. Do incidente resultaram feridos, sem gravidade, cinco civis e um agente.

Posteriormente foi convocada uma manifestação contra a violência policial, em frente ao Ministério da Administração Interna, que resultou também em incidentes entre participantes e a polícia.

Moradores do bairro, no distrito de Setúbal, têm afirmado que a polícia abusou da força, referindo também não terem participado em manifestações.

O Ministério Público e a PSP abriram inquéritos aos incidentes no Bairro da Jamaica.

O bairro começou a formar-se na década de 1990, quando populações que vinham dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) começaram a fixar-se em prédios e torres inacabados, fazendo puxadas ilegais de luz, água e gás.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)