Donald Trump

Como é que Trump mantém o tom laranja com 50 graus negativos? Porque tem “bons genes”

1.020

Na "palidez do inverno", este é o derradeiro "segredo de Estado". O The New York Times tenta explicar o bronze que Donald Trump consegue manter até durante uma vaga de frio polar.

O tom habitual de Trump permanece indiferente a ondas de frio

Spencer Platt/Getty Images

O assunto não é novo, mas convenhamos que o tópico ganha literalmente outra cor quando a meteorologia parece incompatível com um aspeto físico que mais parece resultar de um mês de férias nas Caraíbas — apesar de o seu protagonista só ter passado um fim-de-semana em Palm Beach.

Aparentemente imune a todo e qualquer impacto da severa vaga de frio polar que varreu os EUA, Donald Trump continua a exibir uma face alaranjada — a mesma que despertou já uma multiplicidade de reações, como a paródia protagonizada por Alec Baldwin. Pois bem, em ritmo de permanente sobressalto, o diário The New York Times dedica este sábado um longo artigo à cor do presidente, numa análise intensiva que passou por consultar a Casa Branca, escutar dermatologistas, averiguar o eventual recurso do presidente a solários ou cremes responsáveis por este impressionante efeito cromático.

“Na palidez do inverno, o bronzeado de pele de Trump permanece um segredo de Estado”, é o título do artigo assinado por Katie Rogers e publicado este sábado na versão online, que não o envergonha se constar da sua lista de leituras deste fim-de-semana.

A peça conta até com a versão de um alto responsável da administração Trump, que concordou manifestar-se apenas sob anonimato. Segundo esta fonte, o brilho do presidente é o resultado dos seus “bons genes” (e ainda um leve pó bronzeador, admite o mesmo responsável, a que Donald costuma recorrer antes das suas intervenções no ecrã).

Quanto ao penteado, também há espaço para recuperar esta alínea, tão sensível quanto sumarenta. Nada como ler. Pode ser que o seu dia ganhe uma corzinha.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)