Meteorologia

Inundações, queda de árvores e de estruturas. Bombeiros acorrem a 1.100 ocorrências devido ao mau tempo

A chuva intensa, o vento muito forte e a agitação marítima não provocaram feridos. IPMA baixou o aviso para amarelo. Vem aí menos chuva, vento mais fraco, mas mais frio.

ANTÓNIO ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O mau tempo provocou 1.100 ocorrências em Portugal continental até às 08:00 de hoje, sendo Coimbra, Lisboa, Viseu e o Porto os distritos mais afetados, disse à Lusa fonte da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC).

Segundo Rui Oliveira, oficial de operações da ANPC, “durante o período noturno houve uma diminuição do número de ocorrências face àquilo que se vinha a registar desde o início do alerta”.

“Desde o início do alerta [12:00 de quinta-feira] até às 08:00 de hoje registou-se um total de 1.100 ocorrências que empenharam 3.847 operacionais”, disse o operacional.

Os distritos que registaram o maior número de ocorrências foram Coimbra, Lisboa, Viseu e o Porto, todos com mais de 100 ocorrências.

A esmagadora maioria das ocorrências está ligada a quedas de árvores ou quedas de estruturas, sublinhou Rui Oliveira, adiantando que não há registo de feridos.

Portugal continental foi afetado pelos efeitos da depressão “Helena”, centrada a noroeste do golfo de Biscaia, Espanha.

Esta depressão afetou Portugal continental em particular no que respeita ao vento e à agitação marítima na costa ocidental, tendo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) emitido vários avisos meteorológicos.

O IPMA baixou de aviso laranja para amarelo, o segundo menos grave, sete distritos de Portugal continental.

Segundo informação disponível no site do instituto, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria e Lisboa estão em aviso laranja até às 09:00 de hoje devido à previsão de forte agitação marítima, baixando para amarelo a partir dessa hora, alerta que se mantém até às 18:00.

Estão ainda sob aviso amarelo até às 18:00 de hoje os distritos de Setúbal, Beja, Faro e a Costa Norte da Madeira.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê para hoje nas regiões Norte e Centro períodos de céu muito nublado, tornando-se em geral pouco nublado a partir do meio da tarde.

São ainda previstos aguaceiros fracos até ao meio da tarde, em especial no litoral e no extremo norte, que serão de neve acima de 800/1000 metros até meio da manhã.

O vento será fraco a moderado, até 30 quilómetros por hora (km/h) de noroeste, soprando até final da tarde, moderado a forte (30 a 45 km/h), com rajadas até 65 km/h, no litoral, e forte (35 a 50 km/h), com rajadas até 80 km/h, nas terras altas.

Para a região sul, as previsões apontam para períodos de céu muito nublado, tornando-se em geral pouco nublado a partir do meio da tarde, e aguaceiros fracos até ao início da manhã e em especial no litoral oeste.

Segundo o IPMA, o vento estará fraco a moderado (até 30 km/h) de noroeste, soprando até meio da tarde, moderado a forte (30 a 45 km/h), com rajadas até 65 km/h, no litoral oeste, e forte (35 a 50 km/h), com rajadas até 80 km/h, nas terras altas.

Está ainda prevista uma pequena descida da temperatura mínima.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)