Rádio Observador

Redes Sociais

Mistério resolvido. Ovo mais famoso do Instagram promove serviço de televisão digital

Nasceu para bater o record de likes de Kylie Jenner (e bateu). Pôs-se no mercado para atrair propostas milionárias (e atraiu). O ovo (sim, um ovo) mais famoso do Instagram foi comprado pelo Hulu.

Foi notícia quando começou a ficar perto de alcançar o objetivo que o tinha feito nascer: conseguir, numa só foto, mais likes do que a imagem com mais reações positivas de sempre do Instagram — no caso, uma fotografia da manequim Kylie Jenner. Para isso, esse novo perfil daquela rede social precisava que mais de 18 milhões de pessoas pusessem um “gosto” na sua única (até à altura) foto publicada. O que se segue não é grande surpresa: a primeira foto publicada na conta “world_record_egg” — que retratava apenas um ovo, naturalmente — não só ultrapassou os 18 milhões como ainda rebentou com o recorde. Menos de um mês depois de o ovo ter aparecido na Internet, a imagem contava já com mais de 52 milhões de likes.

De 4 de janeiro, data da publicação, para cá, o ovo foi, porém, passando por uma espécie de metamorfose, com a casca a estalar, ficando claro, porém, que, dali não sairia um pinto — muito menos uma borboleta —, mas muito, muito dinheiro. O sucesso da conta de Instagram tinha atraído investidores, interessados em aproveitar uma audiência tão alargada para publicitar as suas próprias marcas, lucrando, assim, do mediatismo inesperado… de um ovo. É que, além dos tais 52 milhões de likes na primeira foto, o “world_record_egg” juntou também quase 10 milhões de seguidores fiéis.

Há alguns dias, especialistas em marketing atiravam para o ar alguns números, estimados a partir dos valores que chegam a ser pagos por posts de determinadas celebridades — diz-se que Kylie Jenner, por exemplo, pode cobrar 1 milhão de dólares (cerca de 900 mil euros) apenas por uma foto. Os mais optimistas diziam mesmo que o negócio podia valer quase 9 milhões de euros — dinheiro que uma qualquer marcar estaria disposta a pagar para ser “a primeira a estalar o ovo”.

No início da semana, a The Atlantic dava como certo que um dos maiores interessados em aproveitar o fenómeno do World Record Egg era o movimento cívico (e político) Need to Impeach, que luta pela destituição do Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump. Seguiram-se rumores do interesse de várias empresas e de agências ligadas à gestão e ao marketing nas redes sociais.

Este sábado, porém, parece ter acabado o mistério. Numa nova foto, o ovo aparece quebrado, como estava, mas com uma costura a fazer lembrar uma bola de futebol americano. Nada de estranho para um fim de semana de Super Bowl — o momento mais alto do desporto nos EUA e para fãs de todo o mundo —, não fosse outro detalhe: a foto e a legenda têm uma tag (etiqueta) para o Hulu, uma plataforma de streaming que, há algum tempo, quer apostar no mercado dos eventos desportivos, fazendo concorrência aos canais de cabo e a outras plataformas semelhantes, como a Netflix.

A espera acabou. Tudo será revelado este domingo, a seguir ao Super Bowl. Veja primeiro, só no @hulu”, dizia a legenda.

O Gizmodo diz que ninguém sabe ao certo quanto terá valido o negócio. Tal como ninguém sabe se é (mesmo) o ponto final no mistério do ovo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: soliveira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)