Viral

O que faria por um carregamento de Evian? Os 15 minutos de fama do tipo mais prestável do festival Fyre

O festival de luxo que nunca existiu e assentou na Netflix continua a dar pano para mangas. Andy King, a figura mais disponível do evento, fez tamanho furor que pode brilhar noutro lado.

Autor
  • Maria Ramos Silva

É um dos momentos mais bizarros ou constrangedores, consoante a perceção de quem vê, do documentário que continua a dar que falar — pode desatar também alguma simpatia, e na verdade é este sentimento que aqui nos traz. Se assistiu ao mais recente fenómeno da Netflix, Fyre: The Greatest Party That Never Happened, dificilmente esqueceu o contributo do produtor Andy King, que no meio do caos emergiu como um herói involuntário, ou uma estrela em ascensão, com direito a vários memes e tudo.

Disposto a dar o seu melhor para que o desastroso festival funcionasse, King recordou para as câmaras o dia em que o fundador do festival, Billy McFarland, lhe pediu para praticar sexo oral a troco de um carregamento de água Evian retido na alfândega das Bahamas, cenário onde o Fyre estava previsto. É com o maior sentido de dever que Andy, a quem chamaram de “maravilhoso líder gay”, recupera os seus passos, que tinham por objetivo desbloquear um processo que obrigava ao pagamento de 175 mil dólares.

“Quando me pediram para fazer isso, conduzi até casa, tomei um duche, e bocejei a boca com elixir. Dirigi-me ao sítio preparado para fazer aquilo”. Felizmente, os funcionários da alfândega “não podiam ter sido mais simpáticos” e dispensaram o produtor de tal manobra.

Entretanto, a Stereogum adianta que a figura mais disponível do festival ganhou tal protagonismo que pode mesmo vir a ter um programa só seu, ou pelo menos um espaço para dar largas aos seus “15 minutos de fama”. “Só esta semana tive três convites para programas de televisão, de canais importantes”, confirmou. Em todo o caso, King garante que a sangria mediática não irá muito mais adiante. “Não me verão a lançar carteiras ou maquilhagem”, garante.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)