Rádio Observador

Cabo Verde

Capela quinhentista descoberta na Cidade Velha de Cabo Verde

1.338

A capela foi descoberta durante os trabalhos de reabilitação da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, na Cidade Velha, um edifício com mais de seis séculos. Paredes, chão e altar estão preservados.

ANTONIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Uma capela da primeira fase da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, na Cidade Velha, em Cabo Verde, com paredes, chão e altar preservados, foi recentemente descoberta durante os trabalhos de reabilitação deste edifício, com mais de seis séculos.

O achado, que surpreendeu a equipa responsável pelas escavações arqueológicas, que decorrem no âmbito da terceira missão em Cabo Verde do projeto Concha, da Cátedra Unesco – O Património Cultural dos Oceanos, a par dos trabalhos de reabilitação, será da primeira fase da própria igreja, datada de 1495.

André Teixeira, investigador da Universidade Nova de Lisboa e do projeto Concha, explicou à Lusa que este trabalho arqueológico surgiu da necessidade de conjugar a obra de conservação da estrutura, a cargo do Instituto do Património Cultural (IPC), com uma investigação à estrutura.

Os arqueólogos tinham ouvido rumores sobre a existência desta capela, que teria recebido restauros nos anos 60 do século XX, mas que se mantinha “ignorada sistematicamente”.

No lugar que veio a revelar-se de acesso à capela, apenas existia um arco “completamente emparedado”. Ao derrubar a parede, a equipa deparou-se com toneladas de terra a pedras gigantescas, provenientes de uma encosta junto a um dos lados da igreja e que, de resto, há muito ameaça o edifício, indo ser objeto de intervenção.

Apesar da invisibilidade da capela, os investigadores foram identificando pequenos sinais:

Primeiro na parede e depois no solo, havia coisas no sítio, estruturas antigas e ainda preservadas e foi por isso que iniciámos a investigação e a própria escavação arqueológica”.

No processo da investigação, contou, observaram a presença de vários níveis de reboco e mais tarde uma estrutura “ainda preservada, com a área da oração e do altar”, este último com “duas fases de construção”.

Segundo André Teixeira, na “grande configuração” que foi feita em finais do século XVI e XVII a capela foi integrada no espaço “com origem na primitiva Igreja de Nossa senhora do Rosário”. Depois, sofreu adaptações até ser soterrada.

Entre essas adaptações, ocorreu a retirada de uma sepultura e do próprio enterramento que se encontravam à entrada da capela e que provavelmente seriam de quem patrocinou a construção da capela, o que “era habitual”.

Uma das razões para este episódio terá sido, segundo o investigador, a ameaça a que estaria exposta a capela, provavelmente dada a proximidade da encosta, cujas pedras e terra acabaram por soterrar a estrutura.

Havia uma “vaga notícia” da existência da capela

Já no século XX, nomeadamente durante a obra de reconstrução da Igreja pelo arquiteto português Luís Benavente, então diretor do Serviço de Monumentos Nacionais (Portugal), apesar de existir uma “vaga notícia da existência da capela”, esta acabou por ser encerrada.

“Há uma desistência, desiste-se da capela”, frisou o arqueólogo.

Joana Torres, arqueóloga do projeto Concha, referiu à Lusa que foram muitos os sinais que apontavam para a presença da capela, nomeadamente o material que foram encontrando no meio das pedras e terra acumulada durante décadas.

“Notámos que havia uma mistura muito grande, tanto de materiais contemporâneos, como uma moeda dos anos 70, cabo-verdiana, plástico, objetos muito recentes, mas também objetos tardo-medievais [último período da Idade Média]”, referiu.

Conforme as escavações foram avançando “para estratos mais baixos e mais próximos dos vestígios originais da capela”, os investigadores notaram que a presença de materiais mais antigos era mais frequente.

E identificaram também que algumas estruturas da capela, nomeadamente as paredes e a base do altar, incluíam materiais que, tendo sido “utilizados numa fase inicial desta capela ou da igreja, foram depois reutilizados, de forma muito pragmática, enquanto material de construção” e já “sem qualquer marca estética”.

Joana Torres, que ressalva a necessidade de se realizarem mais estudos sobre esta estrutura, sublinha as “várias fases de construção” que o achado terá sido objeto.

O altar tem claramente duas fases. Numa primeira fase é mais estreito e mais longo e depois toma uma forma mais retangular e mais imponente em que usa esses elementos mais antigos na sua própria estrutura. A mesma coisa com a plataforma em que está e que é sobre-elevada em relação ao piso de circulação, onde estaria a lápide sepulcral e que pode também eventualmente ter várias fases de construção”.

Resta agora analisar “as próprias argamassas com que foram construídos os vários elementos do altar para perceber o que foi feito ao mesmo tempo ou não”, esclareceu.

Por apurar continua o oráculo da capela, ao qual os investigadores esperam chegar com a identificação, por exemplo, da pessoa que ali esteve sepultada.

As surpresas durante esta missão do projeto Concha não se cingiram à descoberta desta capela. No decorrer da substituição das escadas de acesso à igreja, das quais faziam parte lápides dos séculos XVI e XVI reaproveitadas na escadaria, foram encontradas ossadas humanas, nomeadamente dois crânios, como contou à Lusa a arqueóloga Mariana Mateus.

“Pensámos que [os dois crânios] não iam ser afetados com a nova escadaria, mas percebemos que iam ser e começámos a identificar todas estas ossadas”, referiu.

Além destes ossos dispersos, provavelmente durante uma remodelação anterior em que tenha existido um revolvimento, os investigadores aperceberam-se que “havia um corpo em conexão” e decidiram “levantá-lo para não ficar ali”, antes de prosseguirem com os trabalhos.

A Igreja de Nossa Senhora do Rosário está atualmente limitada a paredes e toneladas de pedras. No final do ano, deverá estar restaurada e mais perto do que nunca do seu traçado original, como disse à Lusa o arquiteto Adalberto Tavares, do Instituto do Património Cultural (IPC) e coordenador do projeto de reabilitação do edifício.

À Lusa, afirmou que a igreja já não oferecia segurança às muitas visitas e atividades religiosas que recebe.

Os trabalhos começaram com uma intervenção da encosta “para impedir novas derrocadas de pedras”, garantindo assim a segurança física da igreja.

A segunda fase do projeto contempla a correção de problemas através da substituição da cobertura, do chão e do revestimento da igreja e recolocação dos azulejos, há décadas sem respeitar o desenho padrão.

A última parte da intervenção incidirá na parte exterior da igreja, com o restauro do muro e a substituição do chão com pedras mais regulares.

Aquando da reabertura, que deverá acontecer no final deste ano, a Igreja irá mostrar ao público a nova capela, a par de uma outra de estilo gótica, atualmente também alvo de intervenção.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)