Inundações

Cheias na Austrália espalham crocodilos pelas ruas

1.668

No ano mais quente da Austrália desde 1910 também há muita água. Quase 20 mil casas estão inundadas, com o estado de Queensland sob perigo de calor, cheias, ventos e até de animais perigosos.

Numa só semana choveu tanto em Townsville, no nordeste da Austrália, como em um ano

Getty Images

As cheias no nordeste da Austrália continuam, desde dia 27,  a devastar o estado de Queensland, naquele que é o ano mais quente do país desde 1910. Apesar de ser habitual ver-se muita chuva nesta altura do ano na região, devido à época das monções, os níveis normais já foram excedidos. Em apenas uma semana, choveu tanto como num ano inteiro em algumas zonas do nordeste australiano.

Os números não são elevados apenas no registo de chuvas e temperatura: a cada dia vão-se acumulando pedidos de ajuda e casas em risco. Neste momento são já cerca de 16 mil casas sem energia e quase vinte mil em perigo de inundação. Dada a gravidade da situação, as forças armadas australianas já estão no terreno, juntamente com os serviços de emergência e a Cruz Vermelha.

E o caso não é para menos, até porque para além do perigos óbvios do calor, cheias, chuva e vento — a mais de 100 km por hora — juntam-se outros, menos esperados: os avistamentos de crocodilos e cobras têm vindo a aumentar, principalmente na cidade de Townsville. Com a subida do nível da água de mais de uma dúzia de rios, a água surge nas ruas e traz com ela várias surpresas indesejadas, como os crocodilos que chegam a a aparecer em cima de ávores. O maior, até agora, foi um destes répteis com cerca de três metros, detetado por bombeiros numa autoestrada.

A presidente da Câmara da cidade de Townsville, Annastacia Palaszczuk, deixou a garantia de que todos os serviços se estão a esforçar ao máximo, naquele que é um fenómeno que não acontece  “uma vez em vinte anos, mas sim uma em cem”.

As chuvas fortes no nordeste da Austrália devem continuar até ao final de quarta-feira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)