Tailândia

Futebolista do Bahrein fica detido mais dois meses

Hakeem al-Araibi tem 60 dias para apresentar a sua defesa e provas. O jogador fugiu do Bahrein após ter sido condenado à revelia a dez anos de prisão por danos causados numa esquadra de polícia.

Em novembro de 2018, Hakeem chegou a Banguecoque, acompanhado pela mulher, para passar férias, quando foi detido no aeroporto tailandês

JAMES ROSS/EPA

Um tribunal da Tailândia decretou esta segunda-feira que o futebolista do Bahrein Hakeem al-Araibi, que arrisca um processo de extradição para o país de origem, vai continuar detido pelo menos mais dois meses no país. O tribunal concedeu a Hakeem al-Araibi 60 dias para apresentar a sua defesa e provas.

“Por favor, não me mandem de volta para o Bahrein”, implorou o jogador, algemado, à saída do carro que o levava para o tribunal.

Em 2017, as autoridades australianas concederam o estatuto de refugiado ao futebolista, que havia chegado ao país em 2014, fugindo do Bahrein após ter sido condenado à revelia a dez anos de prisão por danos causados numa esquadra de polícia.

Em novembro passado, Hakeem chegou a Banguecoque, acompanhado pela mulher, vindo de Melbourne, para passar alguns dias de férias, quando foi detido no aeroporto tailandês, na sequência de uma notificação da Interpol. Embora a Interpol tenha retirado a notificação em 4 de dezembro, o jogador continua detido num centro de imigração na capital tailandesa.

Na semana passada, a organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) lançou uma campanha internacional para a imediata libertação de Al-Araibi, de modo a permitir que regresse à Austrália. A iniciativa surgiu depois de as autoridades do Bahrein terem considerado inaceitáveis os pedidos de libertação apresentados pela FIFA ou pelo ex-capitão da seleção de futebol australiana Craig Foster.

A Tailândia não é signatária da Convenção da ONU sobre Refugiados, de 1951, e tem sido criticada por extraditar refugiados e requerentes de asilo para países onde são alvo de perseguição e de tortura.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)