Segurança

Gesto de Meghan Markle está a pôr a polícia louca

Desde que casou com o príncipe Harry, Meghan Markle tem-se tornado uma "dor de cabeça" para os polícias britânicos encarregues da segurança da família real britânica. Tudo por causa deste gesto.

Na família real britânica, todos lidam à vontade com a necessidade de deixar para os polícias responsáveis pela segurança tratar do fecho das portas, quando saem do automóvel. Para Meghan Markle, esse (ainda) é um hábito a perder.

O problema é que quando a esposa de Harry fecha a porta atrás dela, não dá tempo ao segurança de intervir e impedir o fecho da porta, que tranca assim que é fechada, deixando-a pois sem acesso imediato ao veículo, o que a poderá impedir de encontrar protecção no interior caso fosse, por exemplo, vítima de um atentado.

Markle tem sido alvo de várias sessões de formação, para se acostumar aos hábitos e necessidades da família real a que agora pertence mas, ao que parece, o bater com a porta tem sido um dos costumes mais difíceis de perder. Desde o casamento, em Maio de 2018, que a actual duquesa de Sussex é criticada pela pressa com que fecha a porta, mas o curioso – ou desesperante sob o ponto de vista dos polícias – é a dificuldade que revela em abrir mão de velhos hábitos, como abrir e fechar a porta do carro sozinha.

As críticas à dificuldade que a duquesa revela em adoptar o protocolo real voltaram a ser notícia por ocasião do recente acidente do príncipe Philip, com 97 anos e marido da rainha Isabel, que capotou depois de provocar um embate com outro veículo, tendo o seu resgate sido problemático. O acidente tornou público que a realeza exige que, tanto a Jaguar como a Land Rover, desliguem os avisadores acústicos e luminosos dos cintos de segurança nos veículos que são conduzidos pela rainha e pelo príncipe Philip, ambos avessos ao uso do cinto de segurança. Aparentemente, há uma lei em Inglaterra para a família real e outra, mais rígida, para os súbditos.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)