Angola

Novas leis e preço do petróleo levam companhias a apostar em Angola

Angola tenta atrair mais investimento para evitar o declínio da produção de petróleo prevista para os próximos anos. Esforços da Sonangol e do Governo terão ajudado a melhorar o ambiente de negócios.

A produção no setor petrolífero em Angola está a cair desde há uns tempos e é esperado que caia ainda mais

NYUNT WIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O analista Adam Pollard da consultora especializada em energia WoodMackenzie disse esta segunda-feira à Lusa que as companhias petrolíferas “estão novamente a olhar para Angola” devido aos preços do petróleo e às reformas lançadas pelo Governo.

No último ano Angola virou a página, o país está a tentar atrair mais investimento para evitar o declínio da produção de petróleo prevista para os próximos anos, e há sinais de que as companhias estão novamente a olhar para Angola e a sentirem-se mais confortáveis em investir no país”, disse Adam Pollard

Em entrevista à Lusa a propósito das perspetivas de evolução do setor petrolífero em Angola, o analista explicou que “tal como noutros países africanos, a produção está a cair há uns tempos, e espera-se que caia ainda mais”, e daí os esforços para atrair investimento externo que possa inverter a situação.

“Vimos alguns projetos sancionados pela francesa Total no bloco 17 no último ano, talvez a BP e a ENI façam o mesmo este ano, portanto há vários sinais” de interesse das maiores petrolíferas no país”, disse, notando que a exploração é predominantemente na costa e a grande profundidade.

Angola é, por natureza, um dos sítios mais caros para desenvolver petróleo, quase sempre em águas ultraprofundas, e por isso quando os preços desceram, em 2014, foi um dos mais afetados, mas agora há mais confiança na estabilidade dos preços do petróleo, sendo que também houve muito trabalho feito pela Sonangol e pelo Governo para melhorar o ambiente de negócios”, disse.

Questionado sobre quais as medidas mais importantes para restabelecer a confiança dos investidores no país, Adam Pollard elencou os decretos presidenciais para acelerar as aprovações, as medidas de combate contra a burocracia que estava associada à indústria petrolífera, as leis para incentivar a exploração dos campos marginais mais pequenos e a nova lei que equipare a exploração do gás à do petróleo.

Sobre a meta de 1,4 milhões de barris por dia, que Angola estabeleceu para este ano, Pollard disse que é “uma meta razoável”, explicando que “muitos dos poços estão na fase de maturidade, quando a produção começa a cair, e há novos projetos para aumentar a produção, mas Angola precisa de muitos mais projetos para serem sancionados e começarem a funcionar nos próximos meses”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)