Rádio Observador

Vimos e Gostámos

O calendário lunar e a coleção que diz não à crueldade animal

Kruella D'Enfer desenhou um calendário com as fases da lua, a cadeira Gonçalo ganhou balanço e a Balenciaga e a Farfetch uniram-se contra a crueldade animal na moda. E as novidades não ficam por aqui.

Da esquerda para a direita, no sentido dos ponteiros do relógio: calendário Kruella D'Enfer x Erva Moura, t-shirt Stradivarius, Lipocils Expert da Talika, mochila Raf Simons x Eastpak, cadeira Gonçalo e botas Balenciaga x Ferfetch

A Stradivarius chegou ao Tinder

A aplicação que assenta num esquema “esquerda ou direita”, consoante a inclinação do seu coração, dispensa apresentações. Com o Dia dos Namorados à porta, a espanhola Stradivarius dedica uma edição de t-shirts à experiência sociológica que é o Tinder. “I’m your right swipe“, “You looked taller on Tinder” e “Love me Tinder” são as frases estampadas que prometem despertar a curiosidade de quem passa por elas na rua. A três t-shirts estão disponíveis online e nas lojas físicas da marca. Custam 12,99 euros.

Balenciaga e Farfetch por uma moda sem crueldade

Eis uma colaboração de luxo, em todos os sentidos. O gigante português de comércio de moda online juntou-se à histórica casa francesa para, na última semana, lançar uma coleção cápsula feita a pensar nas espécies animais que mais têm sofrido com a indústria. Composta por vestuário, calçado e acessórios, com peças para homem, mulher e criança, a coleção não utiliza qualquer tipo de pele, pelo ou enchimento de origem animal, numa forma de mostrar que o estilo e sofisticação não estão minimamente dependentes das matérias-primas animais. Além de peças inéditas, a Balenciaga aproveitou ainda para reeditar alguns clássicos em cores e padrões inéditos. Outras, contêm ilustrações de espécies ameaçadas: o rinoceronte branco do norte, o elefante asiático, a baleia azul e o panda gigante. A coleção está à venda, em exclusivo, na Farfetch, com preços que vão dos 150 aos 2.250 euros.

O calendário lunar de Kruella D’Enfer

Será demasiado tarde para comprar um calendário? Bem, depende do calendário e este é claramente especial. Desenhado pela artista Kruella D’Enfer para a plataforma portuguesa Erva Moura, este calendário lunar não mostra os dias da semana, mas sim as diferentes fases da lua ao longo do ano. A originalidade ninguém lhe tira, nem o seu lado exclusivo. A peça, que tem tanto de útil como de esteticamente relevante, é na realidade um poster serigrafado a duas cores — azul e dourado –, limitado a 50 exemplares assinados e numerados. Pode comprá-lo online. Custa 40 euros.

Talika: um milagre com 70 anos

Criada em 1948, a marca francesa de cosmética acaba de celebrar 70 anos de história. De uma fórmula milagrosa, criada pela fundadora Danielle Rochas, nasceu o Eyelash Conditioning Cream, com efeitos comprovados no crescimento de pestanas e sobrancelhas. Hoje, as derivações deste produto continuam a ser verdadeiros bestsellers e, com o aniversário redondo, a Talika decidiu lançar uma edição especial, inspirada na própria cidade de Paris. Além de ativar o seu crescimento, o Lipocils Experts melhora a pigmentação natural e a curvatura das pestanas, além da própria embalagem que faz dele um objeto digno de coleção. Custa 41,90 euros e está disponível nas perfumarias Douglas.

A cadeira Gonçalo, agora com balanço

É a mais portuguesa das cadeiras e está a ganhar novas versões, entre elas este exemplar cheio de balanço. Produzida pela Arcalo, a cadeira Gonçalo de baloiço está mais para abrilhantar a sala lá de casa do que propriamente para preencher as esplanadas do país. O modelo segue à risca o desenho e as proporções do original, apenas as pernas foram redesenhadas para proporcionar aquele embalo relaxante. A cadeira está à venda no site Pois Selection e custa 199 euros.

Raf Simons x Eastpak: alma punk

É uma das grandes agruras de quem segue a par e passo as criações de marcas e designers — entre vê-las pela primeira vez numa passerelle e conseguir comprá-las, há, por vezes, meses de intervalo que deixam qualquer um a contar os dias. Aconteceu em junho do ano passado, quando Raf Simons apresentou a sua coleção para o verão de 2019 e, com ela, uma colaboração com a Eastpak. Pois bem, as ditas mochilas, autênticos postais da cultura punk e da estética contemporânea do criador, chegaram às lojas (incluindo a online) no início de fevereiro. Aparentemente convencionais, as peças escondem imagens que evocam o movimento cultural dos anos 80, o que faz delas autênticos posters portáteis. Os preços vão dos 100 aos 300 euros.

© FRANCOIS GUILLOT/AFP/Getty Images

“Vimos e Gostámos” é uma rubrica que pretende mostrar os novos lançamentos que vale a pena conhecer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)