Consumo

Tem a certeza de que sabe ler e interpretar as datas de validade dos produtos?

A APED pretende pretende ajudar o consumidor a interpretar e distinguir as indicações de datas de validade/durabilidade, ajudando-o a rentabilizar o consumo dos alimentos e evitar o seu desperdício.

A partir de agora, em mais de 1.200 dos associados da APED haverá informação sobre como ler os prazos de validade

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O setor da distribuição arranca esta segunda-feira com uma campanha para ajudar os portugueses a interpretar e distinguir as datas de validade dos produtos, disse o diretor-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) à Lusa.

“É uma campanha de esclarecimento”, no âmbito da Estratégia Nacional de Combate ao Desperdício Alimentar, já que há “má interpretação dos rótulos, dos prazos de validade”, disse Gonçalo Lobo Xavier.

O mote da campanha é “as datas de validade não são todas iguais” e “saber a diferença faz a diferença”. Ou seja, o objetivo é ajudar o consumidor a interpretar e distinguir as diferentes indicações de datas de validade/durabilidade, ajudando-o a rentabilizar o consumo dos produtos alimentares e, acima de tudo, evitar o seu desperdício.

Assim, “em mais de 1.200” dos associados da APED — nos quais contam-se as cadeias Aldi, Continente, DIA — Minipreço, El Corte Inglés, Intermarché, Ikea, Jumbo/Pão de Açúcar, Lidl, Novo Horizonte e Pingo Doce — haverá informação sobre como ler os prazos de validade, em que no caso de certos produtos, há um prazo indicativo, mas após este expirar não significa que o mesmo não possa ser consumido.

O site da APED também terá informação a esclarecer as diferenças entre “data limite de consumo” e “datas de durabilidade mínima”, além de um conjunto de dicas para conservar os produtos, e explicação sobre quais os produtos sem validade ou produtos com indicação de aproximação de fim de prazo de validade.

“Vamos ter informação em mupis e no site da Câmara Municipal de Lisboa”, adiantou Gonçalo Lobo Xavier, acrescentando que a campanha vai ser alargada “a outras grandes cidades do país”.

“Segundo dados da União Europeia, estima-se que o retalho seja responsável por 5% do desperdício alimentar”, sendo que a maior fatia advém do consumo doméstico, com um peso de 42%, acrescentou o diretor-geral da APED. Daí a importância “em sensibilizar as pessoas para o combate ao desperdício alimentar, mas também de interpretação de datas de validade”, acrescentou.

O diretor-geral da APED adiantou que as cadeias de retalho associadas “comprometeram-se a ter locais específicos nas suas lojas que facilitem a venda de produtos com prazo limite” e a reencaminharem produtos, cujo prazo já não permita comercializar, para IPSS — Instituições Particulares de Solidariedade Social e outras entidades que os consumo de imediato.

“Há produtos que estão a aproximar-se do fim de vida comercial, mas ainda estão em condições excelentes de consumo”, sublinhou o responsável. Entre estes produtos constam, por exemplo, bolachas ou conservas, entre outros. “São produtos que têm segurança alimentar, mas do ponto de vista comercial” já não podem ser vendidos, disse, adiantando que o objetivo é combater o desperdício alimentar.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Dois liberalismos

Ricardo Mendes Ribeiro
101

Temos dois partidos nestas eleições que se dizem liberais e no entanto são muito diferentes: o Iniciativa Liberal e o Aliança. O que distingue estes liberalismos são os limites que colocam à liberdade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)