Rep Democrática do Congo

Angola quer resolver segurança e apostar no comércio transfronteiriço com a República Democrática do Congo

O chefe de Estado angolano disse que os dois presidentes estão de acordo quanto à necessidade de haver paz na República Democrática do Congo para explorar novos projetos.

"Vamos, juntos, continuar a combater essa vaga de imigração ilegal",afirmou Tshisekedi, chefe de Estado da República Democrática do Congo

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente de Angola assumiu esta terça-feira a vontade de reforçar a segurança e o controlo da imigração ilegal com a República Democrática do Congo (RDCongo), assumindo como aposta o comércio transfronteiriço entre ambos os países.

A vontade foi manifestada por João Lourenço no final de um encontro privado, em Luanda, com o seu homólogo congolês, Félix Tshisekedi, que visita Angola, esta terça-feira, por algumas horas, na primeira visita ao estrangeiro desde que foi empossado Presidente da RDCongo, no dia 24 de janeiro, facto saudado pelo Presidente angolano.

Numa breve declaração à imprensa, o chefe de Estado angolano disse que os dois presidentes estão de acordo quanto à necessidade de haver paz e estabilidade na RDCongo, desde logo para aumentar as trocas comerciais e explorar novos projetos, sobretudo no enclave de Cabinda, através do fornecimento de energia elétrica a partir da barragem congolesa de Inga.

João Lourenço reiterou igualmente as vantagens competitivas da utilização dos Caminhos-de-Ferro de Benguela (CFB) para a RDCongo para escoar os produtos da província congolesa do Catanga (sul), com o porto do Lobito a servir de porta de saída e de entrada para as exportações e importações congolesas.

“Ambos os lados da fronteira comum (de 2.511 quilómetros) têm um potencial muito grande e, por isso, teremos de ser pragmáticos para nos ajudarmos uns aos outros, uma vez que temos desafios em comum”, disse João Lourenço.

“Juntos podemos desenvolver projetos de infraestruturas, de energia e industriais que serão benéficos para ambos os países”, acrescentou o Presidente angolano.

Insistindo na questão transfronteiriça, recordando que “são povos amigos com grande potencial e com história”, João Lourenço assinalou que a situação na região é “turbulenta”, devido aos conflitos nos Grandes Lagos e no Golfo da Guiné, pelo que é necessário paz e estabilidade, “não se podendo descurar a segurança”.

“Temos de passar das velhas intenções para projetos concretos. Temos uma vasta fronteira comum que não tem sido devidamente explorada. Há grandes recursos naturais nos dois lados da fronteira e que necessitam de investimento dos dois lados para resolver os problemas, sobretudo os ligados ao desemprego”, concluiu.

Na intervenção, João Lourenço não se referiu diretamente à questão do repatriamento, oficialmente “voluntário”, de mais de 400 mil congoleses em atividades de garimpo em Angola nos últimos meses de 2018, questão que seria abordada pelo homólogo da RDCongo, que disse “compreender” a decisão das autoridades de Luanda.

A este propósito, Tshisekedi destacou que a “compreensão” é justificada peca situação ilegal em que se encontravam, salientando que a imigração irregular para Angola passou sobretudo “por uma questão de sobrevivência” e “não para pôr em causa a segurança de Angola”.

Nesse sentido, Tshisekedi pediu a João Lourenço uma maior colaboração entre os serviços de migração e fronteiras dos dois países, para que os imigrantes possam regressar “em condições dignas” à RDCongo e para que se possa pacificar as diferentes zonas, desenvolver o comércio e gerar emprego.

“Vamos, juntos, continuar a combater essa vaga de imigração ilegal”, disse.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)