Investimento

Armilar Ventures lança fundo de 60 milhões para startups tecnológicas. Já angariou 45 milhões

É o quinto fundo que a sociedade portuguesa de fundos de capital de risco lança. Fundo de transferência de tecnologia já atingiu os 45 milhões de euros, mas o objetivo é alcançar 60 milhões.

O fundo destina-se a startups que se dediquem à comercialização de tecnologia e a produtos que resultem de investigação científica e tecnológica

Getty Images

A Armilar Venture Partners, sociedade portuguesa de fundos de capital de risco, anunciou esta terça-feira um novo fundo de transferência de tecnologia de 60 milhões de euros. O investimento da antiga Espírito Santo Ventures destina-se a startups que se dediquem à comercialização de tecnologia e a produtos que resultem de investigação científica e tecnológica, desenvolvidas essencialmente em Portugal e na Europa.

Numa primeira fase do FCR Armilar Venture Partners TechTransfer Fund foram angariados 45 milhões de euros, mas o objetivo é o de chegar aos 60 milhões de investimento, que serviram para financiar empresas que atuam em diferentes setores e em diferentes fases de maturidade.

As startups apoiadas vão muitas vezes ter origem nas principais instituições académicas e de investigação europeias, incluindo spin-offs, participantes de programas de aceleração ou incubadoras e empresas fundadas por antigos investigadores”, diz a entidade em comunicado.

Este é o quinto fundo lançado pela Armilar ao longo de 19 anos. A capital de risco já investiu em empresas como a OutSystems, a Feedzai e a Codacy. “Com este novo fundo estamos a assumir vários níveis, tornando-o internacional e adicionando a capacidade de investir em vários estágios”, acrescentou Pedro Ribeiro Santos, referindo ainda que ter um fundo de transferência de tecnologia significa não só que a empresa vai investir neste tipo de startups, mas também que pode fazê-lo com mais antecedência, “trabalhando com instituições para ajudar a identificar e desenvolver as melhores oportunidades para transformar investigações de topo em negócios líderes”.

Ao longo dos anos, construímos um conhecimento profundo sobre o ecossistema português e assistimos a um fluxo de negócios de alta qualidade a partir das melhores escolas de engenharia e melhores institutos de pesquisa do país, com as quais temos uma relação forte. Com a tecnologia a fazer parte do ADN da nossa equipa de investimento, há alguns anos lançamos um fundo muito pequeno para testar a tese da transferência de tecnologia em Portugal”, referiu Pedro Ribeiro Santos, parceiro da Armilar, citado em comunicado.

Com estes valores, a Armilar Ventures passa a ter o segundo maior fundo em Portugal, depois de, há cerca de um mês, a sociedade de capital de risco portuguesa Indico Partners ter lançado um fundo de investimento no valor de mais de 46 milhões de euros. Caso chegue aos 60 milhões de euros, este investimento torna-se no maior fundo privado português.

O investimento contou com o apoio do Fundo Europeu de Investimento (EIF, na sigla em inglês) e de dez investidores privados, como a Semapa e a KPN. Houve também a participação de escolas de engenharia, instituições académicas e outras empresas particulares.

Fundada em 2000, a Armilar Venture Partners já conseguiu cerca de 260 milhões de euros em capitais de risco, investidos em empresas de Portugal, Europa e Estados Unidos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)