Rádio Observador

China

Merkel pede à China para empresas de Pequim não partilharem informações com o Estado

A Alemanha tem sido cautelosa em relação ao gigante chinês das telecomunicações, já que faltam evidências concretas de abusos por parte da empresa. Prefere pedir salvaguardas ao governo.

Merkel sublinhou que há um "grande debate" na Alemanha sobre o uso de equipamentos da Huawei

HAYOUNG JEON/EPA

A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu esta terça-feira a Pequim algumas salvaguardas para garantir que as empresas chinesas não partilhem informações com o governo central, numa altura de grande desconfiança ocidental em relação aos comportamentos da Huawei.

Há um “grande debate” na Alemanha sobre o uso de equipamentos da Huawei, disse Merkel sobre a gigante de telecomunicações da China. A Huawei, fundada por um ex-engenheiro do exército chinês, Ren Zhengfei, é suspeita de estar a provocar problemas de segurança nacional em vários países, através do seu software de rede 5G que está a instalar em telemóveis da marca.

Angela Merkel, que falava aos alunos da Universidade de Keio, em Tóquio, onde se encontra desde segunda-feira numa visita oficial ao país, sublinhou que a Alemanha tem adotado uma abordagem cautelosa até agora em relação à Huawei, mostrando algum ceticismo diante da ideia de um boicote ao gigante chinês, já que, na opinião de Berlim, faltam evidências concretas de abusos por parte da empresa. Pequim “deve garantir que a empresa não transmite todos os dados ao estado chinês e [deve garantir] que existam salvaguardas”, disse.

A Austrália e a Nova Zelândia baniram as redes de Quinta Geração (5G) da Huawei por motivos de segurança nacional, após os Estados Unidos e Taiwan, que mantém restrições mais amplas à empresa, terem adotado a mesma medida. Também o Japão, cuja agência para a segurança no ciberespaço classificou a firma chinesa como de “alto risco”, baniu as compras à Huawei por departamentos governamentais.

Durante a recente visita a Lisboa do Presidente chinês, Xi Jinping, foi assinado entre a Altice e a Huawei um acordo para o desenvolvimento da tecnologia 5G em Portugal, apesar de, também a União Europeia ter assumido “estar preocupada” com a empresa e com outras tecnológicas chinesas, devido aos riscos que estas colocam em termos de segurança.

As redes sem fio 5G destinam-se a conectar carros autónomos, fábricas automatizadas, equipamento médico e centrais elétricas, pelo que vários governos passaram a olhar para as redes de telecomunicações como ativos estratégicos para a segurança nacional. “O assunto continuará a ser debatido, e isso também faz parte das nossas discussões com os Estados Unidos”, disse Merkel. O peso económico da China confere-lhe “maior responsabilidade de preservar uma ordem mundial pacífica”, acrescentou.

Na semana passada, o Departamento de Justiça dos EUA apresentou uma queixa criminal contra a Huawei, por violar sanções contra o Irão e por roubar segredos comerciais de uma empresa rival norte-americana, no âmbito de uma investigação que já levou o governo dos Estados Unidos a pedir ao Canadá a detenção da diretora financeira da empresa (e filha do fundador), Meng Wanzhou, quando esta transitou num aeroporto canadiano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)