O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, assinalou esta terça-feira os “laços de cooperação estreita” e a “convergência” com a França em matéria de Defesa, em particular na segurança marítima e na estabilização da África Central.

Intervindo na abertura do I Seminário de Defesa Nacional, que decorre esta terça-feira na Gulbenkian, João Gomes Cravinho considerou “particularmente feliz” a presença da ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, tendo em conta os “laços de cooperação muito estreita” que os dois países têm mantido no domínio da Defesa.

O ministro português sustentou que Portugal e França “têm vindo a aprofundar” a cooperação para a segurança marítima no Golfo da Guiné e para a estabilização da África Central: “continuaremos a fazê-lo refletindo a sobreposição e a convergência dos nossos interesses”, disse Gomes Cravinho.

Portugal participa na missão militar das Nações Unidas de estabilização da República Centro Africana na sequência de um pedido da França, que ativou a cláusula de “assistência mútua” do Tratado da União Europeia depois dos atentados terroristas de 2015.

O ministro da Defesa Nacional considerou “particularmente útil e pertinente” a realização do I Seminário de Defesa Nacional numa altura em que se discute no parlamento a Lei de Programação Militar, que prevê um “aumento muito considerável do investimento nas Forças Armadas”, num total de 4,7 mil milhões de euros até 2030.