Rádio Observador

Líbia

Líbia. Mais de 16 mil migrantes regressam ao país de origem

O programa de regressos voluntários ajuda aos migrantes, que correm risco de vida ao tentar chegar à Europa através da travessia do Mediterrâneo, voltar ao seu país de origem.

A Líbia tornou-se no principal ponto de partida em direção à Europa depois do encerramento da rota dos Balcãs e do Mar Egeu

YARA NARDI / ITALIAN RED CROSS/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de 16 mil migrantes foram repatriados a partir da Líbia em 2018, divulgou esta quarta-feira a Organização Internacional das Migrações que gere um programa de regressos voluntários naquele país, passagem para milhares de migrantes que tentam alcançar a Europa.

Um total de 16.753 migrantes em situação irregular puderam regressar ao país de origem no ano passado”, afirmou, em declarações à agência noticiosa francesa France Presse (AFP), o coordenador do programa “Regresso voluntário” da Organização Internacional das Migrações (OIM), Jouma Ben Hassan.

São essencialmente pessoas que tentaram, sem sucesso e muitos a correr risco de vida, chegar à Europa através da travessia do Mediterrâneo, de acordo com a organização liderada pelo ex-ministro português António Vitorino. “Segundo as estatísticas da OIM, estes migrantes são oriundos de 32 países de África e da Ásia”, acrescentou Jouma Ben Hassan, precisando que estes dados não incluem os migrantes apoiados pelo Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR).

O ACNUR precisou, por seu lado, que 4.080 refugiados deixaram a Líbia desde setembro de 2017. Numa nota informativa divulgada no início da semana, o ACNUR informou que outros 56.600 refugiados estão à espera para sair da Líbia. Este país do norte de África está imerso num caos político e securitário desde a queda do regime de Muammar Kadhafi em 2011, cenário que tem beneficiado as redes de tráfico ilegal de migrantes.

No tempo do ditador líbio, milhares de migrantes atravessavam as fronteiras do sul da Líbia, com 5.000 km, especialmente para tentar atravessar o mar Mediterrâneo para a Europa. Mas desde 2011, a situação piorou, com as redes de tráfico ilegal a exigirem grandes somas de dinheiro para transportarem, em condições bastante precárias, milhares de pessoas, a maioria oriunda dos continentes africano e asiático, para Itália, a cerca de 300 quilómetros das costas líbias.

A Líbia tornou-se então no principal ponto de partida em direção à Europa depois do encerramento da rota dos Balcãs e do Mar Egeu. Muitos migrantes, homens, mulheres ou crianças, têm sido intercetados ou resgatados em alto mar ao longo dos últimos anos. Muitos deles encontram-se em centros de detenção na Líbia, vivendo em condições muito difíceis e enfrentando abusos graves. A opção da repatriação surge como uma solução.

Várias organizações internacionais, incluindo o ACNUR, condenam regularmente os maus tratos a que são submetidos os migrantes na Líbia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)