Redes Sociais

WhatsApp está a banir dois milhões de contas por mês para travar notícias falsas

A aplicação de troca de mensagens criou um sistema automático que deteta contas falsas e abusivas. A ferramenta está a ser usada para proteger eleições na Índia e pode ser aplicada na Europa.

Na Índia, o WhatsApp compra publicidade para explicar como combater notícias falsas

AFP/Getty Images

O WhatsApp está a preparar-se para lidar com a maior eleição na história da plataforma: em abril, a Índia vai eleger um novo parlamento e podem ir às urnas mais de 800 milhões de pessoas, dos 1,3 mil milhões de habitantes do país. Para o WhatsApp (uma plataforma de troca de mensagens detida pelo Facebook) isso significa lidar com a divulgação de propaganda, artigos políticos e notícias falsas entre os 300 milhões de utilizadores diários da aplicação.

A Índia é o maior mercado do WhatsApp — em todo o mundo tem 1,5 mil milhões de utilizadores –, o que justifica as preocupações particulares da empresa. Para combater a partilha de notícias falsas entre os utilizadores, o WhatsApp lançou um software dotado de machine learning, ou seja, capaz de se melhorar a ele próprio com a experiência ganha, só para detetar e banir contas duplicadas, falsas ou criadas especificamente para divulgar propaganda.

A ferramenta atinge as contas em três momentos:

  1. No registo: 20% das expulsões acontecem neste momento. Só pela forma como a conta é criada, o software consegue perceber se o utilizador é um robô ou um humano a tentar criar uma segunda conta.
  2. Quando o utilizador envia mensagens: Em geral, as contas criadas para divulgar notícias falsas fazem-no enviando grandes números de mensagens e partilhando artigos com centenas de pessoas ao mesmo tempo. O comportamento (pouco habitual num utilizador normal) é detetado pela aplicação.
  3. Depois de uma queixa por outro utilizador: Qualquer utilizador pode fazer queixa de outro por spam ou comportamento abusivo. O software analisa a conta em detalhe e decide banir de imediato a conta ou passar a queixa a um gestor humano.

Tudo somado, o serviço tem banido 2 milhões de contas por mês em todo o mundo. É uma conta a cada segundo e meio.  O ritmo frenético exige uma resposta computorizada, até porque 75% das contas banidas são geridas por computadores sem interferência humana direta, segundo os dados da própria empresa.

Sistemas automáticos são acompanhados por campanhas de educação mediática

O WhatsApp tem investido em campanhas de educação para os média e combate à desinformação. A empresa compra regularmente anúncios em jornais, televisões e rádios para explicar como detetar e travar uma notícia falsa. Em outubro de 2018 — depois de o pânico gerado por várias notícias falsas divulgada através do WhatsApp ter levado à morte de pelo menos 30 pessoas — a empresa chegou a enviar atores para explicarem o fenómeno das notícias falsas através de pequenas peças. A equipa viajou de carrinha pela Índia.

A aplicação também passou a colaborar com agências de fact checking, como a Boom Live e a Alt News, e com a agência noticiosa Ekta, para filtrar o conteúdo que está a ganhar tração na plataforma. Para chegar a mais pessoas o WhatsApp ainda contratou a BuffaloGrid para montar estações de carga de telemóveis nas zonas rurais do país. A carga é gratuita, mas o ecrã do telemóvel fica a passar imagens de sensibilização enquanto estiver ligado.

Algo que o WhatsApp se tem recusado a fazer, avança a VentureBeat, é seguir a sugestão do governo indiano de eliminar a encriptação das mensagens enviadas, ou seja, permitir que se siga o rasto digital de todas as interações (logo de todas as notícias falsas) dentro da aplicação. O Ministério Indiano para a Eletrónica e Tecnologia indicou que pode tornar obrigatório o WhatsApp desencriptar as mensagens dos utilizadores para operar na Índia. Responsáveis do WhatsApp informaram o Financial Times de que era “impossível” cumprir com uma lei desse tipo.

As medidas de proteção do WhatsApp, que já estão a ser aplicadas na Índia, podem servir também para proteger eleições na Europa e nos Estados Unidos da América, seguindo as diretrizes do Facebook para 2019: maior transparência e mais apoio ao desenvolvimento positivo da sociedade.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Os Pilares da Digitalização

João Epifânio

Pilar fundamental para o desenvolvimento da economia digital é a capacidade de incluir todos os cidadãos e empresas garantindo condições de igualdade de acesso à informação e a redução da infoexclusão

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)