Rádio Observador

Redes Sociais

WhatsApp está a banir dois milhões de contas por mês para travar notícias falsas

A aplicação de troca de mensagens criou um sistema automático que deteta contas falsas e abusivas. A ferramenta está a ser usada para proteger eleições na Índia e pode ser aplicada na Europa.

Na Índia, o WhatsApp compra publicidade para explicar como combater notícias falsas

AFP/Getty Images

O WhatsApp está a preparar-se para lidar com a maior eleição na história da plataforma: em abril, a Índia vai eleger um novo parlamento e podem ir às urnas mais de 800 milhões de pessoas, dos 1,3 mil milhões de habitantes do país. Para o WhatsApp (uma plataforma de troca de mensagens detida pelo Facebook) isso significa lidar com a divulgação de propaganda, artigos políticos e notícias falsas entre os 300 milhões de utilizadores diários da aplicação.

A Índia é o maior mercado do WhatsApp — em todo o mundo tem 1,5 mil milhões de utilizadores –, o que justifica as preocupações particulares da empresa. Para combater a partilha de notícias falsas entre os utilizadores, o WhatsApp lançou um software dotado de machine learning, ou seja, capaz de se melhorar a ele próprio com a experiência ganha, só para detetar e banir contas duplicadas, falsas ou criadas especificamente para divulgar propaganda.

A ferramenta atinge as contas em três momentos:

  1. No registo: 20% das expulsões acontecem neste momento. Só pela forma como a conta é criada, o software consegue perceber se o utilizador é um robô ou um humano a tentar criar uma segunda conta.
  2. Quando o utilizador envia mensagens: Em geral, as contas criadas para divulgar notícias falsas fazem-no enviando grandes números de mensagens e partilhando artigos com centenas de pessoas ao mesmo tempo. O comportamento (pouco habitual num utilizador normal) é detetado pela aplicação.
  3. Depois de uma queixa por outro utilizador: Qualquer utilizador pode fazer queixa de outro por spam ou comportamento abusivo. O software analisa a conta em detalhe e decide banir de imediato a conta ou passar a queixa a um gestor humano.

Tudo somado, o serviço tem banido 2 milhões de contas por mês em todo o mundo. É uma conta a cada segundo e meio.  O ritmo frenético exige uma resposta computorizada, até porque 75% das contas banidas são geridas por computadores sem interferência humana direta, segundo os dados da própria empresa.

Sistemas automáticos são acompanhados por campanhas de educação mediática

O WhatsApp tem investido em campanhas de educação para os média e combate à desinformação. A empresa compra regularmente anúncios em jornais, televisões e rádios para explicar como detetar e travar uma notícia falsa. Em outubro de 2018 — depois de o pânico gerado por várias notícias falsas divulgada através do WhatsApp ter levado à morte de pelo menos 30 pessoas — a empresa chegou a enviar atores para explicarem o fenómeno das notícias falsas através de pequenas peças. A equipa viajou de carrinha pela Índia.

A aplicação também passou a colaborar com agências de fact checking, como a Boom Live e a Alt News, e com a agência noticiosa Ekta, para filtrar o conteúdo que está a ganhar tração na plataforma. Para chegar a mais pessoas o WhatsApp ainda contratou a BuffaloGrid para montar estações de carga de telemóveis nas zonas rurais do país. A carga é gratuita, mas o ecrã do telemóvel fica a passar imagens de sensibilização enquanto estiver ligado.

Algo que o WhatsApp se tem recusado a fazer, avança a VentureBeat, é seguir a sugestão do governo indiano de eliminar a encriptação das mensagens enviadas, ou seja, permitir que se siga o rasto digital de todas as interações (logo de todas as notícias falsas) dentro da aplicação. O Ministério Indiano para a Eletrónica e Tecnologia indicou que pode tornar obrigatório o WhatsApp desencriptar as mensagens dos utilizadores para operar na Índia. Responsáveis do WhatsApp informaram o Financial Times de que era “impossível” cumprir com uma lei desse tipo.

As medidas de proteção do WhatsApp, que já estão a ser aplicadas na Índia, podem servir também para proteger eleições na Europa e nos Estados Unidos da América, seguindo as diretrizes do Facebook para 2019: maior transparência e mais apoio ao desenvolvimento positivo da sociedade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça
157

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Redes Sociais

Uma bandeira que vale mais do que a fama

P. José Maria Brito, SJ
149

O que terá o fundador da Companhia de Jesus a ver com o Team Strada? Poderá ele dizer-nos alguma coisa sobre a educação dos afetos? Leitura dum tema da atualidade partindo da espiritualidade inaciana

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)