Rádio Observador

República Centro Africana

Assinado acordo de paz com os grupos armados na República Centro-Africana

O Presidente centro-africano vai realizar viagens pelo país para "levar a mensagem de paz aos [seus] compatriotas" e a Comissão Verdade e Justiça vai estar "operacional" no final do ano.

Os acordos de paz anteriores nunca foram respeitados e não permitiram colocar um fim à violência

CEMGFA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um acordo de paz entre o poder da República Centro-Africana (RCA) e os grupos armados que controlam a maioria do território foi assinado esta quarta-feira em Bangui, capital do país. O acordo já tinha sido rubricado na véspera em Cartum, no Sudão.

A cerimónia da assinatura, que relança a esperança do fim de um conflito que devasta o país desde 2013, decorreu nas instalações da Presidência. Portugal participa na Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA), desde o início de 2017, com uma companhia de tropas especiais, a operar como Força de Reação Rápida.

O Presidente centro-africano, Faustin Archange Touadéra, afirmou que “o primeiro efeito deste acordo é a cessação de toda a violência contra os civis”, mas não revelou o conteúdo do acordo, o oitavo desde 2012. O chefe de Estado indicou apenas que a Comissão Verdade e Justiça destinada a favorecer a reconciliação vai estar “operacional” no final do ano.

Touadéra revelou, ainda, que vai realizar uma série de viagens pelo país, para “levar a mensagem de paz aos [seus] compatriotas”.

O acordo foi rubricado na terça-feira em Cartum, onde, por iniciativa da União Africana (UA), os beligerantes estiveram a negociar durante uma dezena de dias. Os chefes dos dois principais grupos armados – Ali Darassa, da Unidade para a Paz na República Centro-Africana (UPC, na sigla em Francês), e Noureddine Adam, da Frente Popular para o Renascimento da República Centro-Africana (FPRC) — não participaram na cerimónia de assinatura.

Em contrapartida, rubricaram o texto, designado ‘Acordo de Cartum’, na terça-feira na capital sudanesa. “Este dia é para nós um momento histórico, que consagra a conclusão de quase três anos de esforços”, afirmou Touadéra, sublinhando que “estendeu a mão aos irmãos e irmãs dos grupos armados”.

Por seu lado, o presidente da Comissão da União Africana, o chadiano Moussa Faki Mahamat, salientou que “o verdadeiro desafio vai ser a continuação deste acordo”. Detalhando, avançou: “Não deve ser mais um acordo (sem continuidade), como dizem os cínicos”. Garantiu, em particular, que “vai estar muito atento à aplicação efetiva do acordo”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, saudou esta quarta-feira, em comunicado, este “importante acontecimento” e encorajou “todas as partes integrantes (do acordo) a honrarem os seus compromissos durante o período de aplicação do acordo”.

Os acordos de paz anteriores nunca foram respeitados e não permitiram colocar um fim à violência.

A presença em Cartum dos chefes de 14 grupos armados, designadamente os mais importantes, bem como a forte implicação da UA, alimenta a esperança de este, assinado hoje, vir a ser aplicado.

A violência começou na RCA em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por vários grupos reunidos na designada Séléka (que significa coligação na língua franca local), o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka.

O conflito neste país, com o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados, e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

O Governo do Presidente, Faustin-Archange Touadéra, um antigo primeiro-ministro que venceu as presidenciais de 2016, controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por 18 milícias que, na sua maioria, procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)