Governo

Bruxelas mais pessimista que Governo revê em baixa crescimento português

A economia portuguesa vai crescer 1,7%, abaixo da estimativa do Governo, mas acima do crescimento de 1,3% previsto para a zona euro que vai abrandar, segundo as previsões da Comissão Europeia.

O Governo português continua a apontar para uma expansão de 2,2% do PIB português este ano

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A Comissão Europeia reviu esta quinta-feira em baixa a sua previsão para o crescimento da economia portuguesa este ano, prevendo uma expansão de 1,7%, abaixo da estimativa de 2,2% do Governo.

Nas previsões de inverno, divulgadas esta quinta-feira, a Comissão Europeia baixou as suas estimativas de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB) português para 1,7% este ano, face à expansão de 1,8% antecipada nas previsões de outono, divulgadas em novembro.

Bruxelas está assim mais pessimista para o crescimento da economia portuguesa em 2019 do que o Governo português, que continua a apontar para uma expansão de 2,2% do PIB este ano.

Parem de classificar a desaceleração como crise, diz Mário Centeno

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, pediu esta quinta-feira para não se “retratar” a desaceleração económica, confirmada pelas previsões da Comissão Europeia para a zona euro, como “crise”, e solicitou medidas dos governos europeus contra “os riscos”.

“Parem de retratar a desaceleração [económica] como uma crise”, vincou o também ministro das Finanças português numa posição expressa em inglês através da sua conta oficial na rede social Twitter.

Para Mário Centeno, são os “riscos políticos que estão a levar a levar ao abrandamento do crescimento” hoje demonstrado pelas previsões intercalares de inverno da Comissão Europeia. “Por isso, está nas nossas mãos [governantes] mudar a maré e agir para reduzir esses riscos”, vinca o responsável.

Bruxelas revê em baixa crescimento na zona euro em clima de incerteza

A Comissão Europeia reviu esta quinta-feira em baixa as previsões de crescimento da economia da zona euro até 2020 e reconhece que o abrandamento poderá ser ainda mais pronunciado devido ao “elevado grau de incerteza” no panorama económico global.

Nas previsões intercalares de inverno publicadas, o executivo comunitário estima que o Produto Interno Bruto (PIB) na zona euro progrida 1,3% este ano e 1,4% em 2020, quando nas anteriores projeções, de outono (divulgadas em novembro), antecipava valores de 1,9% e 1,7%, respetivamente.

Para o conjunto da União Europeia (já a 27, dado a saída do Reino Unido estar agendada para final do próximo mês), a Comissão Europeia revê igualmente sobretudo em baixa a previsão de crescimento para 2019, que estima agora que se fixe nos 1,5%, quando há três meses antecipava que chegasse aos 2,0%.

Para 2020, prevê que acelere para os 1,8% do PIB, ainda assim abaixo do valor projetado no outono, de 1,9%.

As revisões em baixa da Comissão Europeia têm até “efeitos retroativos”, já que, com os dados agora disponíveis, que confirmam um abrandamento da economia mais vincado do que o esperado nos dois últimos trimestres do ano passado, sobretudo no derradeiro, Bruxelas estima que em 2018 a economia tenha crescido 1,9% na zona euro e na UE a 28, quando em novembro projetava crescimentos de 2,1 e 2,2%, respetivamente.

De acordo com o executivo comunitário, tal deveu-se ao facto de a atividade económica ter sido mais moderada do que o previsto no segundo semestre do ano passado, face a um abrandamento no crescimento do comércio global, a um decréscimo na confiança, e por a produção em vários Estados-membros ter sido negativamente afetada por fatores domésticos temporários, como interrupções na produção de automóveis, tensões sociais e incerteza sobre políticas orçamentais.

Bruxelas sublinha que a economia europeia deverá crescer em 2019 pelo sétimo ano consecutivo, e em todos os Estados-membros, mas admite que “o ritmo do crescimento deverá ser moderado, comparativamente com as taxas elevadas dos últimos anos”, e adverte que “o cenário está sujeito a uma grande incerteza”.

Um elevado grau de incerteza rodeia o panorama económico e as projeções estão sujeitas a riscos negativos. As tensões comerciais, que têm pesado sobre o sentimento há já algum tempo, aliviaram até certo ponto, mas continuam a ser um fator de preocupação”, aponta a Comissão Europeia.

Bruxelas justifica também o cenário de incerteza com o facto de a economia chinesa ter abrandado de forma mais vincada do que era antecipado e de os mercados financeiros globais e muitos mercados emergentes serem vulneráveis a mudanças abruptas, além de, sublinha, o processo de saída do Reino Unido da UE (‘Brexit’) continuar a ser “uma fonte de incerteza”.

Relativamente à inflação, o outro indicador macroeconómico contemplado nestas previsões intercalares, a Comissão Europeia estima que este ano abrande para os 1,4% na zona euro e 1,6% na UE a 27, e progrida ligeiramente — uma décima — no próximo ano, para os 1,5% no espaço da moeda única e 1,7% no conjunto dos 27 Estados-membros.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

10 medidas de reforma do recrutamento governativo

Fernando Teigão dos Santos

Modernizar o funcionamento governativo passa por reduzir a tamanho dos gabinetes, reformar as suas funções, ter menos parentes, mais quadros competentes e fechar as “portas giratórias” dos ministérios

Maioria de Esquerda

Um país de pantanas /premium

Alexandre Homem Cristo
1.807

Greves, negociações hipócritas e atropelos constitucionais. Eis o fim de ciclo da geringonça – no governo, no parlamento e na presidência. Quem vive de ilusões também morre pelas expectativas que gera

Administração Pública

A (Des)orientação ao Cidadão

Carlos Hernandez Jerónimo

Não basta produzir plataformas e sistemas mesmo que em co-criação com o cidadão, que apenas ligam dois pontos em linha reta e que ao mínimo desvio empurram o cidadão para o balcão e a fila de espera. 

Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)