Rádio Observador

Apps

Há aplicações que podem estar a gravar tudo o que faz no iPhone

O software Glassbox grava tudo o que faz dentro de apps como a Experia ou a Hotels.com. Dados bancários e passwords podem ser expostos. Um serviço similar é utilizado pelo OLX, eBay e Samsung.

Um quarto dos portugueses usa um iPhone

AFP/Getty Images

Cada gesto no ecrã, cada letra escrita, tudo o que faz no seu iPhone a partir do momento em que abre certas aplicações pode estar a ser gravado, segundo a TechCrunch. Os serviços móveis da Abercrombie & Fitch, da Hotels.com e da Singapore Airlines, por exemplo, usam um serviço de monitorização da empresa de análise de dados Glassbox. O software está integrado nas aplicações móveis e grava o ecrã do utilizador enquanto este usa a aplicação. O vídeo, o chamado replay de sessão, é depois enviado para a empresa que produz a app para ser analisado.

A recolha de dados de utilização dos clientes é habitual tanto em websites como em aplicações móveis. Mas as gravações da Glassbox captam absolutamente tudo o que fizer dentro da app, como a introdução de palavras passe, e revelam todos os dados a que acede. Caso o software funcionasse de forma ideal, os campos sensíveis (como o número do seu cartão de crédito, por exemplo) seriam censurados antes do envio do replay de sessão. Mas uma investigação do App Analyst revelou que o processo de proteção do Glassbox é falível. A aplicação da Air Canada, em específico, captava todos os dados bancários e passwords dos seus 20 mil utilizadores.

Outra possível fragilidade está no arquivo das gravações. Empresas como a Hollister e a Abercrombie & Fitch guardam as gravações nos servidores próprios da Glassbox. Mas alguns dos clientes do serviço, incluindo a Expedia e a Hotels.com, mantêm backups dos replays de sessão em servidores próprios, que podem ser mais vulneráveis.

A Glassbox foi a aplicação analisada pela TechCrunch, mas existem outras empresas similares no mercado. A Appsee e a UXCam oferecem um serviço similar a clientes como o OLX, o eBay, a Samsung e o Duolingo. O trabalho realizado pela Glassbox, que em geral não está explícito nos Termos e Condições das apps, é resumido pela própria empresa num tweet que apela a possíveis clientes: “Imagine se o seu website ou aplicação móvel conseguisse ver tudo o que os seus clientes fazem em tempo real, e porque o fazem? (…) Isso é a Glassbox”.

Em resposta ao serviço similar utilizado, como a Appsee e a UXCam, por outras empresas, o OLX afirma que não retém nenhum dos dados bancários mencionados e que apenas obtém “os dados de navegação normais”. Enviou o seguinte esclarecimento ao Observador, que deixamos publicado na íntegra: “O OLX não retém quaisquer dados mencionados no artigo. No que respeita a dados de pagamento no OLX não são inseridos quaisquer dados bancários, os pagamentos são gerados através da  geração de referência bancária ou através de paypall. Os dados de navegação que o OLX obtém dos seus utilizadores são apenas os dados de navegação normais  – exemplos de cliques, respostas a anúncios e visualizações e páginas, não para efeitos de utilização desses dados a nível individual mas apenas e exclusivamente para efeitos de análise de tendências estatísticas”.

*Artigo atualizado a 10 de fevereiro, às 18h00, com esclarecimento do OLX quanto à utilização de aplicações similares à do Glassbox

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)