Redes Sociais

Instagram proíbe imagens de automutilação depois de suicídio de adolescente inglesa

A plataforma quer tornar mais difícil encontrar conteúdos autodestrutivos. As novas regras surgem após uma jovem de 14 anos se ter suicidado depois de ver posts sobre ansiedade no Instagram.

O Instagram tem mais de mil milhões de utilizadores mensais

Justin Sullivan/Getty Images

Vai ser proibida a publicação no Instagram de qualquer imagem gráfica ligada ao suicídio ou à automutilação. O The Telegraph avança que a rede social vai alterar os sistemas de procura e recomendação de conteúdos para tornar mais difícil encontrar conteúdo com referências explícitas ao suicídio e a doenças mentais como a ansiedade ou a depressão, mesmo quando estas acompanhem fotografias permitidas. Nesse sentido, posts que possam promover tentativas de automutilação ficam removidos da busca por hastags, da secção “Explorar” e das recomendações personalizadas. A empresa quer ainda desenvolver algoritmos que permitam desfocar imagens duvidosas, deixando ao critério dos utilizadores se querem vê-las na forma original ou não.

As novas regras permitem que posts não gráficos continuem disponíveis, mas com menos destaque. “Se existir um conteúdo na plataforma  ligado à automutilação, mesmo que esteja orientado para a reflexão — como alguém colocar uma fotografia de uma cicatriz e dizer que não se magoa há 30 dias — vai ser muito mais difícil de encontrar”, explicou o presidente do Instagram, Adam Mosseri. A empresa ainda quer criar uma rede de apoio para utilizadores com tendências autodestrutivas, facilitando a procura de ajuda.

Regras mais apertadas surgem depois do suicídio de jovem inglesa

As mudanças surgiram depois das intensas críticas de que o Instagram foi alvo, pelo papel que teve no suicídio de Molly Russell, um jovem inglesa de 14 anos. O pai da adolescente, Ian Russell, garante que a jovem terá desenvolvido um estado depressivo cada vez mais agravado graças à rede social. O Instagram, como a maioria das redes sociais, recomenda conteúdos aos seus utilizadores baseando-se nos interesses destes. O The Telegraph garante que Molly Russel terá seguido contas ligadas à ansiedade e ao suicídio e que, em resposta, o Instagram terá recomendado cada vez mais conteúdo a promover a automutilação e a comportamentos autodestrutivos.

O governo britânico planeia introduzir legislação para regular as redes sociais e garantir mecanismos que bloqueiem imagens e vídeos ilegais, que mostrem violência ou abuso de crianças, e que impeçam ativamente atos de bullying digital e interações tóxicas. Os responsáveis do Instagram querem agir sem necessidade de regulamentação, mas sem pressa excessiva. “Não temos estado focados como devíamos nos efeitos das imagens gráficas em quem as vê”, admitiu Adam Mosseri, sublinhando que ainda assim a plataforma tem ajudado a salvar vidas, permitindo que amigos e familiares detetem e denunciem tendências suicidas, logo era necessário agir com “velocidade mas responsabilidade”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Redes Sociais

A voz dos grunhos /premium

Maria João Marques
184

A generalização da grunhisse vai apenas legitimar mais grunhisse levando os incautos a perderem a cerimónia na hora de manifestarem opiniões que são em si mesmo a desumanização de outros seres humanos

Inovação

Uber: o entrepreneur vai nu?

Fernando Pinto Santos
196

O dinheiro dos investidores da Uber subsidia as viagens e é o que permite a oferta de preços competitivos. Isto é sustentável? É este o paradigma de empreendedorismo que desejamos?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)