Rádio Observador

Redes Sociais

Instagram proíbe imagens de automutilação depois de suicídio de adolescente inglesa

A plataforma quer tornar mais difícil encontrar conteúdos autodestrutivos. As novas regras surgem após uma jovem de 14 anos se ter suicidado depois de ver posts sobre ansiedade no Instagram.

O Instagram tem mais de mil milhões de utilizadores mensais

Justin Sullivan/Getty Images

Vai ser proibida a publicação no Instagram de qualquer imagem gráfica ligada ao suicídio ou à automutilação. O The Telegraph avança que a rede social vai alterar os sistemas de procura e recomendação de conteúdos para tornar mais difícil encontrar conteúdo com referências explícitas ao suicídio e a doenças mentais como a ansiedade ou a depressão, mesmo quando estas acompanhem fotografias permitidas. Nesse sentido, posts que possam promover tentativas de automutilação ficam removidos da busca por hastags, da secção “Explorar” e das recomendações personalizadas. A empresa quer ainda desenvolver algoritmos que permitam desfocar imagens duvidosas, deixando ao critério dos utilizadores se querem vê-las na forma original ou não.

As novas regras permitem que posts não gráficos continuem disponíveis, mas com menos destaque. “Se existir um conteúdo na plataforma  ligado à automutilação, mesmo que esteja orientado para a reflexão — como alguém colocar uma fotografia de uma cicatriz e dizer que não se magoa há 30 dias — vai ser muito mais difícil de encontrar”, explicou o presidente do Instagram, Adam Mosseri. A empresa ainda quer criar uma rede de apoio para utilizadores com tendências autodestrutivas, facilitando a procura de ajuda.

Regras mais apertadas surgem depois do suicídio de jovem inglesa

As mudanças surgiram depois das intensas críticas de que o Instagram foi alvo, pelo papel que teve no suicídio de Molly Russell, um jovem inglesa de 14 anos. O pai da adolescente, Ian Russell, garante que a jovem terá desenvolvido um estado depressivo cada vez mais agravado graças à rede social. O Instagram, como a maioria das redes sociais, recomenda conteúdos aos seus utilizadores baseando-se nos interesses destes. O The Telegraph garante que Molly Russel terá seguido contas ligadas à ansiedade e ao suicídio e que, em resposta, o Instagram terá recomendado cada vez mais conteúdo a promover a automutilação e a comportamentos autodestrutivos.

O governo britânico planeia introduzir legislação para regular as redes sociais e garantir mecanismos que bloqueiem imagens e vídeos ilegais, que mostrem violência ou abuso de crianças, e que impeçam ativamente atos de bullying digital e interações tóxicas. Os responsáveis do Instagram querem agir sem necessidade de regulamentação, mas sem pressa excessiva. “Não temos estado focados como devíamos nos efeitos das imagens gráficas em quem as vê”, admitiu Adam Mosseri, sublinhando que ainda assim a plataforma tem ajudado a salvar vidas, permitindo que amigos e familiares detetem e denunciem tendências suicidas, logo era necessário agir com “velocidade mas responsabilidade”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Privacidade

Gratuito é mentira

João Nuno Vilaça
158

Que estamos a ceder em troca destas aplicações e serviços gratuitos? A nossa alma? Quase. Estamos a ceder os nossos dados, que são extremamente valiosos e pessoais. São o recurso mais valioso do mundo

Redes Sociais

Uma bandeira que vale mais do que a fama

P. José Maria Brito, SJ
149

O que terá o fundador da Companhia de Jesus a ver com o Team Strada? Poderá ele dizer-nos alguma coisa sobre a educação dos afetos? Leitura dum tema da atualidade partindo da espiritualidade inaciana

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)