Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Jeremy Clarkson, durante muitos anos a alma do programa da BBC Top Gear – até ter decidido agredir o produtor – e posteriormente o líder do The Grand Tour, da Amazon Prime, é um homem de convicções fortes, sendo capaz de rasgar a camisola por marcas, veículos e pessoas de que gosta, para a seguir atacar com o mesmo tipo de frontalidade os que detesta.

Clarkson não gosta, assumidamente, de automóveis eléctricos. Daí que não tenha espantado que, no decurso de um programa gravado em estúdio e perante uma audiência, o popular apresentador aproveitasse para, mais uma vez, ridicularizar os veículos eléctricos. A “vítima” foi o Audi e-tron, a quem Clarkson não augurou grande sucesso, porque basicamente significava “bosta” em França.

Embalado com as gargalhadas que arrancou, Clarkson encontrou rapidamente outra “vítima” para reforçar o exemplo anterior e, como seria de esperar, é um veículo que também tem uma versão puramente eléctrica. Trata-se de um modelo que tem um significado “delicado” em Portugal, o que até motivou a alteração da denominação comercial no nosso país.

Para que os seus colegas de programa, os experientes Richard Hammond e James May, participassem na brincadeira, Clarkson resolveu gozar igualmente com José Mourinho, reputado treinador de futebol português, modalidade onde é conhecido como Special One. Mourinho granjeou no Reino Unido, onde já treinou dois dos maiores clubes do campeonato, tantos inimigos como devotos seguidores, não terá caído nas boas graças de Clarkson. Veja o vídeo para perceber como e porquê.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR