O problema em cima da mesa não reside nas emissões excessivas dos motores a gasóleo do Dieselgate, mas sim os motores que respeitam a norma Euro 5, a anterior à actual Euro 6, que já incluem catalisador selectivo e injecção de ureia (AdBlue). São motores muito interessantes em matéria de partículas, pois já estão dotados de filtros, mas não no que respeita aos óxidos de azoto (NOx), pois não usufruem ainda de tratamento específico para os NOx.

Todo este interesse em despoluir os velhos diesel, muitos com mais de 10 anos, tem a ver com as proibições à circulação que algumas cidades já implementaram e a que muitas pretendem juntar-se em breve. Esta necessidade gerou um negócio paralelo, em que várias empresas prometem retrofits que resolvam os problemas dos condutores. Isto até a Volkswagen intervir.

Afirma o construtor alemão que este retrofit não só não faz sentido, como não funciona e ninguém sabe que danos vai provocar ao motor. Segundo o fabricante, não é possível conter as emissões de NOx sem o AdBlue e o catalisador selectivo e isso é um problema, porque o catalisador selectivo ocupa espaço, tal como o depósito de AdBlue, espaço esse que é muito difícil de conseguir num veículo que não foi concebido para tal.

A marca vai ainda mais longe ao prever que os dispositivos disponíveis no mercado são problemáticos, além de fazerem aumentar o consumo em até 6%. Resta agora saber o que os clientes pensam de tudo isto e se continuam a investir em panaceias para conseguir continuar a circular durante mais uns anos nos centros das cidades onde habitam.