Tailândia

Atual chefe de governo e filha do rei candidatos a primeiro-ministro na Tailândia

Partidos vão a votos para eleições parlamentares no dia 24 de março. Prayut Chan-o-Cha, atual primeiro-ministro e chefe da junta militar, e a filha do rei, a princesa Ubolratana, estão na corrida.

Desde o fim da monarquia absoluta, em 1932, a Tailândia foi palco de 19 tentativas de golpe de Estado

AFP/Getty Images

O atual chefe do governo e da junta militar e a filha do rei são candidatos ao cargo de primeiro-ministro nas primeiras eleições desde que os militares tomaram o poder num golpe de Estado em 2014. Os partidos vão a votos para eleições parlamentares no dia 24 de março que irão definir o próximo primeiro-ministro do país.

Prayut Chan-o-Cha, atual primeiro-ministro e chefe da junta militar, foi o escolhido pelo partido Phalang Pracharat, já a princesa Ubolratana, de 67 anos, foi nomeada pelo partido Raksa Chart, colocando um elemento de incerteza nas eleições de março. O partido que nomeou a princesa já veio afirmar que o palácio real não vai desempenhar nenhum papel público nas eleições, nem tomará nenhum partido.

Na votação serão eleitos 500 membros do futuro parlamento da Tailândia, que por sua vez vão eleger o próximo primeiro-ministro. O decreto, assinado pelo rei Vajiralongkorn e publicado no jornal oficial da Tailândia, no início do ano, abriu caminho para o país regressar à democracia, após o golpe militar liderado pelo atual primeiro-ministro, o general Prayut Chan-ocha.

“Em 24 de março, os tailandeses vão pronunciar-se para acabar com o regime militar”, disse na semana passada o jovem milionário e chefe do novo partido de oposição “Futuro Avante”, Thanathorn Juangroongruangk. “Estas eleições devem ser livres e justas, para permitir que o país avance”, sublinhou por seu lado o líder do principal partido da oposição, Pheu Thai.

Prayuth Chan-ocha autoproclamou-se primeiro-ministro provisório, um dia depois de os militares terem tomado o poder num golpe de Estado, a 22 de maio de 2014. Desde o fim da monarquia absoluta, em 1932, a Tailândia foi palco de 19 tentativas de golpe de Estado, 12 das quais bem sucedidas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)