CDS-PP

Assunção Cristas diz que esquerda também apoiou paralisações sem escrutínio

208

A presidente do CDS-PP afirma que os partidos da esquerda também apoiaram no passado greves e manifestações sem qualquer preocupação de escrutínio, como acontece agora com os enfermeiros.

Assunção Cristas falou sobre a greve dos enfermeiros na Feira do Fumeiro, em Vinhais, no distrito de Bragança

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, afirmou este sábado que os partidos da esquerda também apoiaram no passado greves e manifestações sem qualquer preocupação de escrutínio, como acontece agora com os enfermeiros.

Cristas reagia ao anúncio de que a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica, a ASAE, vai investigar a origem dos fundos recolhidos pelos enfermeiros através de crowdfunding para as greves dos últimos tempos.

A lei “tem de ser estritamente cumprida, com certeza, e tem de ser verificado se a lei é ou não é cumprida”, defendeu a presidente do CDS-PP, acusando a esquerda de não ter tido a mesma postura no passado.

Em relação a questões de financiamento, durante anos, assistimos a coisas noticiadas abundantemente de apoio das câmaras mais à esquerda a numerosas manifestações e greves, apoios vários, nomeadamente transportando os manifestantes e grevistas para os locais, e aí não creio que tenha havido tanta preocupação com escrutínios”, afirmou.

Para o CDS-PP, o mais importante de tudo é garantir que se passa a uma outra fase, a da paz social que, entende, “neste momento está a escassear no nosso país”.

“Daí termos lançado o nosso apelo ao Presidente da República que certamente encontrará o melhor momento e a melhor forma de o fazer para ajudar a moderar um conflito que deixa mal os utentes, os doentes, quem precisa de recorrer ao hospital”, reiterou.

Assunção Cristas falava na Feira do Fumeiro, em Vinhais, no distrito de Bragança, o certame mais antigo do género no país, que há 39 anos promove os produtos de excelência desta zona, os enchidos, que são também dos mais caros a nível nacional e gozam de proteção comunitária.

A presidente do CDS-PP estava acompanhada pelo deputado europeu Nuno Melo, candidato de novo ao Parlamento Europeu pelo partido.

Já em campanha, como admitiu, com esta visita quis sublinhar que o deputado é o “que mais defende os produtos portugueses em Bruxelas, com uma iniciativa anual, onde leva produtores de todo o país”.

Questionada ainda sobre o congresso do novo partido, a Aliança, em Évora, a Assunção Cristas disse que o CDS-PP só tem um adversário.

O Partido Socialista e as esquerdas unidas, aí é que está o nosso adversário político e são esses que nós queremos combater e construir uma verdadeira alternativa, também para valorizar a agricultura”, declarou.

A líder do CDS voltou a acusar o Governo de desprezar “o setor agrícola, o produto agroalimentar” e de “não pôr os fundos a correr e a financiar os projetos como acontecia noutro tempo”.

“Lamento muito, por exemplo que hoje vamos olhar para os fundos europeus, para ajudar ao investimento neste setor e verificamos que apenas estão executados em 30% na parte do apoio ao investimento. É muito pouco para um programa que já está no final”, considerou.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)