Enfermeiros

Movimento Greve Cirúrgica diz não ter nada a esconder e apela à identificação dos contribuidores

346

O Movimento Greve Cirúrgica pediu a todas as pessoas que contribuíram ou que desejem no futuro contribuir na recolha de fundos 'online' para o financiamento da greve que se identifiquem.

JOSÉ COELHO/LUSA

O Movimento Greve Cirúrgica pediu este sábado a todas as pessoas que contribuíram ou que desejem no futuro contribuir na recolha de fundos ‘online’ para o financiamento da greve dos enfermeiros que se identifiquem, porque “não há nada a esconder”.

“Estamos preparadíssimos, não temos nada a esconder, sempre dissemos isso”, afirmou à agência Lusa Catarina Barbosa, representante do Movimento Greve Cirúrgica, numa reação à informação, avançada pelo semanário Expresso, de que a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) vai investigar a origem dos fundos recolhidos pelos enfermeiros através de uma plataforma de financiamento colaborativo, ‘crowdfunding’, para as recentes greves daquela classe profissional.

À Lusa, a representante disse que o movimento enviou na sexta-feira, “antes de sair a notícia”, um ‘email’ a todos os contribuidores para que esses verificassem se as suas contribuições tinham sido anónimas ou não.

“E com um pedido para as pessoas se identificarem, exatamente porque não temos nada a esconder”, prosseguiu.

Catarina Barbosa indicou que o movimento já recebeu, entretanto, ‘emails’ de várias pessoas que querem alterar o ‘status’ de anónimo e colocarem a respetiva identificação.

“Acreditamos que se calhar, até ao fim do dia de hoje ou de amanhã [domingo], esse problema ficará resolvido. Porque nós nunca tivemos nada a esconder, não é por causa dos anónimos que as coisas vão ser diferentes”, afirmou a representante do Movimento Greve Cirúrgica, que organizou a recolha de fundos para as paralisações.

E acrescentou: “Estamos tranquilos, estamos à espera. O que nós queríamos era mesmo isso, que investigassem para acabarem mesmo com essa suspeita que existe, dos privados estarem a financiar, assim realmente vai ficar resolvido, vai ficar resolvida a questão. E espero que não se volte a falar mais desta situação. É a melhor forma de resolver isto”.

Questionada se o movimento foi, entretanto, contactado pela ASAE, Catarina Barbosa disse que, até agora, não houve qualquer contacto.

Segundo a edição deste sábado do semanário Expresso, a ASAE vai investigar o fundo solidário que está a financiar a greve dos enfermeiros, perante as crescentes suspeitas sobre a origem do ‘crowdfunding’, que já angariou mais de 784 mil euros.

“As circunstâncias atuais precipitaram uma avaliação prévia às seis campanhas ativas, entre as quais a dos enfermeiros”, disse ao semanário o inspetor-geral da ASAE, Pedro Portugal Gaspar.

Na quinta-feira, fonte oficial da ASAE disse à agência Lusa que não fez qualquer inspeção às plataformas de ‘crowdfunding’ desde que foram criadas, há quase quatro anos, porque a legislação não está ainda uniformizada com as medidas de combate ao branqueamento de capitais.

“Havendo necessidade de serem estabelecidas regras para esta atividade, não foram até à data desenvolvidas ações de inspeção”, disse a ASAE numa resposta escrita enviada à agência Lusa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)