Enfermeiros

Movimento Greve Cirúrgica diz não ter nada a esconder e apela à identificação dos contribuidores

346

O Movimento Greve Cirúrgica pediu a todas as pessoas que contribuíram ou que desejem no futuro contribuir na recolha de fundos 'online' para o financiamento da greve que se identifiquem.

JOSÉ COELHO/LUSA

O Movimento Greve Cirúrgica pediu este sábado a todas as pessoas que contribuíram ou que desejem no futuro contribuir na recolha de fundos ‘online’ para o financiamento da greve dos enfermeiros que se identifiquem, porque “não há nada a esconder”.

“Estamos preparadíssimos, não temos nada a esconder, sempre dissemos isso”, afirmou à agência Lusa Catarina Barbosa, representante do Movimento Greve Cirúrgica, numa reação à informação, avançada pelo semanário Expresso, de que a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) vai investigar a origem dos fundos recolhidos pelos enfermeiros através de uma plataforma de financiamento colaborativo, ‘crowdfunding’, para as recentes greves daquela classe profissional.

À Lusa, a representante disse que o movimento enviou na sexta-feira, “antes de sair a notícia”, um ‘email’ a todos os contribuidores para que esses verificassem se as suas contribuições tinham sido anónimas ou não.

“E com um pedido para as pessoas se identificarem, exatamente porque não temos nada a esconder”, prosseguiu.

Catarina Barbosa indicou que o movimento já recebeu, entretanto, ‘emails’ de várias pessoas que querem alterar o ‘status’ de anónimo e colocarem a respetiva identificação.

“Acreditamos que se calhar, até ao fim do dia de hoje ou de amanhã [domingo], esse problema ficará resolvido. Porque nós nunca tivemos nada a esconder, não é por causa dos anónimos que as coisas vão ser diferentes”, afirmou a representante do Movimento Greve Cirúrgica, que organizou a recolha de fundos para as paralisações.

E acrescentou: “Estamos tranquilos, estamos à espera. O que nós queríamos era mesmo isso, que investigassem para acabarem mesmo com essa suspeita que existe, dos privados estarem a financiar, assim realmente vai ficar resolvido, vai ficar resolvida a questão. E espero que não se volte a falar mais desta situação. É a melhor forma de resolver isto”.

Questionada se o movimento foi, entretanto, contactado pela ASAE, Catarina Barbosa disse que, até agora, não houve qualquer contacto.

Segundo a edição deste sábado do semanário Expresso, a ASAE vai investigar o fundo solidário que está a financiar a greve dos enfermeiros, perante as crescentes suspeitas sobre a origem do ‘crowdfunding’, que já angariou mais de 784 mil euros.

“As circunstâncias atuais precipitaram uma avaliação prévia às seis campanhas ativas, entre as quais a dos enfermeiros”, disse ao semanário o inspetor-geral da ASAE, Pedro Portugal Gaspar.

Na quinta-feira, fonte oficial da ASAE disse à agência Lusa que não fez qualquer inspeção às plataformas de ‘crowdfunding’ desde que foram criadas, há quase quatro anos, porque a legislação não está ainda uniformizada com as medidas de combate ao branqueamento de capitais.

“Havendo necessidade de serem estabelecidas regras para esta atividade, não foram até à data desenvolvidas ações de inspeção”, disse a ASAE numa resposta escrita enviada à agência Lusa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura
946

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)