Presidente Trump

Trump anuncia Hanói como local da cimeira com líder da Coreia do Norte

Trump anunciou a capital do Vietname como o local da cimeira a 27 e 28 de fevereiro com o líder da Coreia do Norte e afirmou que Pyongyang "tornar-se-á numa grande potência económica".

O elogio de Trump a Kim contrasta com comentários que fez no passado, como quando lhe chamou "Little Rocket Man"

ERIK S. LESSER/EPA

O Presidente dos Estados Unidos anunciou a capital do Vietname, Hanói, como o local da cimeira a 27 e 28 de fevereiro com o líder da Coreia do Norte e afirmou que Pyongyang “tornar-se-á numa grande potência económica”.

Os meus representantes acabaram de deixar a Coreia do Norte depois de uma reunião muito produtiva”, escreveu Donald Trump na rede social Twitter, na sexta-feira, referindo-se ao encontro entre o enviado especial dos EUA para a Coreia do Norte, Stephen Biegun, com o seu homólogo Kim Hyok Chol.

“A hora e a data ficaram acordadas para a segunda cimeira com Kim Jong-Un [líder norte-coreano]. Acontecerá em Hanói, no Vietname, em 27 e 28 de fevereiro. Estou ansioso para ver o Presidente Kim e promover a paz!”, acrescentou o Presidente norte-americano.

Num segundo ‘Tweet’, Donald Trump sublinhou ainda acreditar que “a Coreia do Norte, sob a liderança de Kim Jong-Un, tornar-se-á numa grande potência económica”.

“Eu cheguei a conhecê-lo e a entender completamente o quão capaz ele é”, disse Trump, sublinhando que “a Coreia do Norte tornar-se-á um tipo diferente de ‘Rocket’ – um económico!”.

O elogio de Trump a Kim contrasta com comentários que fez no passado, como quando lhe chamou “Little Rocket Man”, numa alusão à pequena estatura do líder norte-coreano e aos ensaios de lançamento de mísseis do seu regime.

Na histórica cimeira de Singapura o líder norte-coreano prometeu trabalhar para uma “desnuclearização completa da península coreana”, insistindo no fim das sanções económicas impostas ao regime por vários países ocidentais, liderados pelos Estados Unidos. Singapura foi o local da primeira cimeira entre Trump e Jong-un, em 12 de junho passado.

Trump garantiu que as sanções vão continuar em vigor, enquanto Pyongyang não avançar no processo de desnuclearização. Por outro lado, a Coreia do Norte pediu a assinatura de um tratado de paz com a Coreia do Sul, para ajudar a garantir a sua sobrevivência.

A Guerra da Coreia (1950-53) terminou com um armistício e sem a assinatura de um tratado de paz entre Pyongyang e Seul, o que deixou os dois países tecnicamente em guerra.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)