União Africana

Angola contribui com 8% do “orçamento regular” da União Africana

Angola é atualmente o sexto maior contribuinte da União Africana (UA), com uma quota de 8% do "orçamento regular" (de 280 milhões de dólares - 244 milhões de euros).

ARSHAD ARBAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Angola é atualmente o sexto maior contribuinte da União Africana (UA), com uma quota de 8% do “orçamento regular” (de 280 milhões de dólares – 244 milhões de euros), relembrou este domingo o chefe da diplomacia angolana.

Segundo Manuel Augusto, para o orçamento de 2019, Angola vai contribuir com 27,6 milhões de dólares (24 milhões de euros), sendo 5,2 milhões (4,5 milhões de euros) para o fundo de paz, valores que ficam apenas atrás das contribuições de países como a Argélia, África do Sul, Egito, Nigéria e Marrocos, cuja quota é de 12% (de um total de 55 Estados).

Na 31.ª cimeira, que decorreu em julho de 2018 em Nouakchott (Mauritânia), foi aprovado o orçamento da UA para o exercício de 2019 no montante total de 681,49 milhões de dólares (592,6 milhões de euros), repartidos por várias rubricas, em que o orçamento regular ficou estipulado nos 280 milhões de dólares (244 milhões de euros).

O orçamento operacional é de 158,46 milhões de dólares (137,8 milhões de euros), o de programas de 249,7 milhões de dólares (217,1 milhões de euros) e 139,5 milhões de dólares (121,3 milhões de euros) a serem mobilizados juntos dos parceiros internacionais.

Por outro lado, as operações de apoio à paz vão ser contempladas com 273,2 milhões de dólares (237,5 milhões de euros), sendo 11,3 milhões (9,8 milhões de euros) a partir de contribuições estatutárias dos Estados membros, com os restantes 261,9 milhões de dólares (227,7 milhões de euros) a mobilizar junto da comunidade internacional.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)