Rádio Observador

Exportações

Calçado português promove-se em Milão para consolidar posição internacional

142

Cerca de 90 empresas portuguesas responsáveis por 500 milhões de euros de exportações participam até quarta-feira na maior feira internacional de calçado, em Milão.

HUGO DELGADO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de 90 empresas portuguesas responsáveis por 500 milhões de euros de exportações participam até quarta-feira na maior feira internacional de calçado, em Milão, Itália, numa altura em que o setor procura “reposicionar-se” para se afirmar externamente.

As cerca de 90 empresas nacionais que rumam à Micam respondem por mais de 8.000 postos de trabalho e recebem este domingo, no primeiro dia da feira, a visita do ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, e do secretário de Estado da Economia, João Correia Neves.

“Portugal será a segunda maior delegação estrangeira naquela que é a mais importante e prestigiada feira de calçado do mundo, logo a seguir a Espanha”, destaca a Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS), que organiza a participação portuguesa na feira de Milão.

A participação na Micam acontece numa altura em que o calçado português perspetiva 2019 como “um ano de afirmação nos mercados externos”, durante o qual o setor pretende investir, com o apoio do Programa Compete, mais de 18 milhões de euros em atividades promocionais no âmbito das “grandes prioridades” de “aumentar as vendas no exterior, diversificar os mercados de destino e o leque de empresas exportadoras”.

Destes, 16 milhões de euros serão canalizados para a participação de 200 empresas em cerca de 60 dos principais eventos da especialidade, em mais de 15 mercados, com destaque para a Alemanha, Espanha, França e Itália, na Europa, e para o Japão e EUA, entre os países extracomunitários.

Os restantes dois milhões de euros dizem respeito à promoção das marcas em “áreas críticas” como a conceção e o registo de marcas e patentes, o investimento em publicidade, a contratação de assessorias de comunicação no exterior e a produção de campanhas de imagem.

Segundo a APICCAPS, estes investimentos serão complementados com ações no universo digital, desde apoios à realização de campanhas de ‘marketing’ digital a investimentos em matéria de criação de ‘sites’ ou lojas ‘online’.

Os objetivos são claros: “Promover o ‘upgrade’ [melhoria] de imagem das marcas do setor e fomentar uma imagem de excelência das empresas e dos seus produtos”.

Esta renovada aposta nos mercados externos que acontece depois de, em 2018, o crescimento de 2,4% das exportações de calçado em volume, para 85 milhões de pares, não ter sido suficiente para evitar uma quebra de 2,85% em valor, para 1.904 milhões de euros.

Segundo a associação, “o abrandamento das principais economias mundiais para onde a indústria portuguesa de calçado exporta mais de 95% da sua produção terá afetado o setor e contribuído para o desempenho final”, sendo que, “ainda recentemente, o Fundo Monetário Internacional reviu em baixa as perspetivas de crescimento para 2018 e revelou-se menos otimista para 2019”.

“O impacto da guerra comercial entre os EUA e a China, o abrandamento da economia europeia e a crise em vários mercados emergentes são — recorda – as principais razões para o corte das estimativas efetuado pela entidade liderada por Christine Lagarde”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crescimento Económico

Como vai o motor da nossa economia?

Luís Ribeiro

Estamos a viver “à sombra da bananeira” de uma alta imobiliária que alguns consideram já ser mais uma “bolha” do que um “boom”. É uma ilusão que se esfuma facilmente e é incapaz de arrastar a economia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)