Rádio Observador

Agricultura

Câmara de Fornos de Algodres paga seis euros por cada ovino da raça Serra da Estrela

210

A Câmara Municipal de Fornos de Algodres decidiu atribuir um incentivo financeiro de seis euros por cada ovino da raça Serra da Estrela, com o objetivo de rejuvenescer o setor.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Câmara Municipal de Fornos de Algodres decidiu atribuir um incentivo financeiro de seis euros por cada ovino da raça Serra da Estrela, com o objetivo de rejuvenescer o setor e de incentivar as raças autóctones.

O apoio, que consta de um regulamento municipal que já foi aprovado pela autarquia, também abrange os produtores de caprinos e de bovinos do concelho.

“É um apoio que visa premiar e preservar a prática agrícola no concelho, nomeadamente a produção de gado. Nós sentimos essa necessidade, porque nos apercebemos que cada vez mais vão envelhecendo os produtores de gado e, portanto, é importante conseguirmos rejuvenescer o setor”, disse à agência Lusa Alexandre Lote, vice-presidente do município de Fornos de Algodres, no distrito da Guarda.

Segundo o responsável, a medida é também justificada por a autarquia sentir que “alguns jovens agricultores estavam a apostar em raças que não as autóctones” e por a ovelha Serra da Estrela estar “a ficar um bocadinho para trás em detrimento de outras raças que têm outra rentabilidade”.

“Então, conciliando estes dois fatores, considerámos que era o momento certo para apresentarmos este regulamento que tem como objetivo premiar com seis euros por cabeça de gado todas as ovelhas da raça Serra da Estrela, 2,5 euros as restantes raças e 120 euros para os bovinos”, disse.

Alexandre Lote aponta que no regulamento há “uma diferenciação clara da ovelha Serra da Estrela”, como forma de a autarquia preservar “também aquele que é um produto icónico da região, que é o queijo Serra da Estrela”.

O autarca disse à Lusa que os produtores do concelho receberam a medida de forma “extraordinária”.

A Câmara Municipal de Fornos de Algodres tem também a funcionar um Gabinete de Apoio ao Ovinicultor que auxilia os produtores nos licenciamentos, nos projetos e na obtenção de apoios.

O gabinete “tem um foco muito grande na certificação dos produtores do queijo da Serra da Estrela” e a autarquia suporta o processo na totalidade.

O concelho possui 14 queijarias licenciadas e dois produtores de queijo Serra da Estrela com DOP – Denominação de Origem Protegida (certificado), pretendendo aumentar o número de produtores com queijo certificado.

Segundo Alexandre Lote, o município de Fornos de Algodres tenciona lançar em breve uma plataforma ‘online’ de venda de produtos locais, incluindo o queijo Serra da Estrela certificado.

Com o surgimento da plataforma, o responsável vaticina que aumentará o interesse dos produtores pela produção de queijo DOP.

A produção de queijo Serra da Estrela é “a principal atividade do setor primário” do concelho de Fornos de Algodres, onde existem mais de 3.500 ovinos.

“O setor do queijo é o setor que mais marca e mais identifica o concelho de Fornos de Algodres. É importante que não só a comunidade local tenha essa perceção, mas também todos os agentes que olham para o concelho de Fornos de Algodres”, concluiu.

O município de Fornos de Algodres integra a Região Demarcada de Produção de Queijo Serra da Estrela, que engloba áreas de 18 concelhos da Bacia Hidrográfica do Alto Mondego.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salvo raras exceções

Diogo Poço Miranda

Não interessa aos dirigentes políticos que os melhores se envolvam na política, porque o certo é que se os melhores da sua geração o tivessem feito eles não estariam lá. Salvo raras exceções

Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)